Devido a risco de desabamento, bombeiros deixam prédio da 25 de Março

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Por precaução, bombeiros continuarão o trabalho do lado de fora do edifício, com lançamento de jatos de água ao subsolo

Agência Brasil

Os bombeiros que combatem os focos de incêndio em um prédio comercial da Rua 25 de Março, na região central de São Paulo, receberam, às 11h, ordens para se retirar do local já que há risco de desabamento.

Leia também: Incêndio atinge shopping da rua 25 de Março

Comerciantes e consumidores acompanham o trabalho do Corpo de Bombeiros
Renato S. Cerqueira/Futura Press
Comerciantes e consumidores acompanham o trabalho do Corpo de Bombeiros

Segundo o coronel do Corpo de Bombeiros, Wagner Bertolini, 53 profissionais trabalham no local. O coronel disse que, por precaução, os trabalhos vão prosseguir de forma remota, ou seja, do lado de fora do prédio com o lançamento de jatos de água em direção ao subsolo tanto na Rua 25 de Março quanto na rua que fica atrás, a Barão de Duprat.

Vinte e cinco carros do Corpo de Bombeiros trabalham no combate aos focos de incêndio. De acordo com o capitão Fernando Ferreira Alvez, não existe mais risco de propagação do fogo, mas há dificuldade de acesso ao local onde o incêndio começou, por volta das 3h30, num subsolo do edifício.

á muito calor próximo ao prédio e os bombeiros jogam jatos de água para tentar resfriar o local. Os bombeiros também usam jato de espuma química.

Próximo ao local do incêndio estão dezenas de empregados e proprietários dos estabelecimentos comerciais afetados esperando a conclusão dos trabalhos do Corpo de Bombeiros. Entre eles, a peruana Jessica Luna que é proprietária de uma loja de bolsas, malas e acessórios de couro. "Estou esperando a liberação do local para ver se minha loja foi atingida". Ela destacou ter cerca de 150 mil reais em mercadoria.

O prédio tem quatro andares e os focos de incêndio atingiram apenas o subsolo. Nesse ponto, segundo a proprietária de uma outra loja, que não quis se identificar o espaço tem 250 boxes de pequenos comerciantes, a maioria, bolivianos e peruanos que vendem, principalmente, bolsas, bijuterias e roupas.

Agentes da Defesa Civil estão no local fazendo a avaliação do comprometimento da edificação. A Eletropaulo cortou o circuito de energia elétrica da rua. Todos os demais estabelecimentos comerciais do quarteirão estão fechados até a conclusão do trabalho dos bombeiros e da Civil.

Leia tudo sobre: IGSPbombeirosincêndio25 de março

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas