Zona leste: sem transporte público, vizinhos se unem e criam linha gratuita

Por David Shalom , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

No Jd. Novo Horizonte, moradores têm de caminhar 3 km até ponto de ônibus mais próximo; SPTrans diz que os aclives da região prejudicam a implementação de transporte público

O caminho é íngreme, longo, cansativo. Terrenos repletos de mato alto, ruas com pouca movimentação e mal iluminadas completam o trajeto, de cerca de três quilômetros entre a carente região da zona leste de São Paulo e o ponto de ônibus mais próximo para locomoção ao local de trabalho ou de estudos. Assaltos são recorrentes. Segundo moradores, as características da região, aliadas à ausência de policiamento, também colaboram para estupros.

Facebook/Reprodução
Kombi usada por moradores da região para fazer trajeto até ponto de ônibus mais próximo

Localizado na região de Itaquera, a mais populosa da capital paulista, o humilde Jardim Novo Horizonte, bairro surgido como uma comunidade no final da década de 1990, cresceu e hoje possui cerca de três mil famílias que vivem em casas simples, construídas em ruas estreitas. Para sair dali, só a pé.

Cansados do abandono do poder público, os vizinhos se juntaram no último domingo (14) e instalaram uma linha: fizeram um ponto de saída em frente a uma paróquia local, conseguiram emprestada com um dos moradores uma Kombi antiga, juntaram um dinheirinho para cobrir os custos de combustível e fizeram o trajeto ao longo de todo o dia, levando para cima e para baixo moradores e ativistas, em um protesto de ação prática.

Leia também:
Por linha de ônibus, manifestantes se acorrentam em saguão da prefeitura de SP

"Sempre ficamos com medo, ouvimos casos de pessoas, principalmente mulheres, que foram roubadas ou sofreram abusos sexuais. Além disso, é um caminho extremamente cansativo, com várias subidas. Acabei de chegar em casa e estou exausta. Imagine para os velhinhos e as crianças que moram por aqui", diz Raisa Soares, 21 anos, que diariamente deixa sua residência no início da manhã em direção ao trabalho e só retorna por volta das 23h, após assistir às aulas na faculdade onde estuda Administração de Empresas.

Ela se mudou com a família para a região há cerca de 15 anos, pois os pais já não tinham condições de sustentar a casa então alugada no Jardim Sapopemba, na zona sul. "O Novo Horizonte era praticamente inabitado quando cheguei. Hoje é quase uma cidade. Mas a estrutura oferecida pelas autoridades permanece a mesma."

A ideia do transporte circular foi inspirada em outra semelhante, colocada em prática no primeiro semestre, em Marsilac, no extremo sul paulistano, onde o transporte em algumas áreas também é inexistente. Para isso, os vizinhos pediram ajuda da paróquia de Novo Horizonte e de representantes do Fórum Popular de Saúde da Zona Leste, que por sua vez buscou "know how" com o Movimento Passe Livre (MPL), grupo responsável pelas manifestações contra o aumento da tarifa de transporte público em São Paulo em 2013.

Relembre os protestos contra aumento da tarifa de transporte público em 2013:

Manifestantes tomam as ruas de SP em protesto contra aumento da tarifa de ônibus. Foto: Euclides Oltramari Jr./Futura PressManifestantes colocam fogo em lixo durante concentração na Praça do Ciclista, na Avenida Paulista. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressÔnibus incendiado e depredado próximo da Praça da Sé durante protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô, na cidade de São Paulo (SP).. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressGrupo bloqueia passagem de carros na Paulista na altura da Bela Cintra, no fim do protesto. Foto: Renan TruffiManifestante e PMs em protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô em SP. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressDepredação de agência bancária durante protesto contra o aumento das passagens de ônibus, trens e metrô em SP. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes picham e depedram ônibus no  Terminal Parque Dom Pedro . Foto: Futura PressManifestantes chegam à Paulista e invadem as duas faixas da avenida. Foto: Renan TruffiAgência bancária depredada na Avenida Paulista. Foto: Renan TruffiManifestantes chegam à Paulista. Foto: Renan TruffiO ato contra o aumento da passagem de ônibus se dirige à Avenida Paulista. Foto: Renan TruffiManifestantes bloqueiam o trânsito sentido Paulista da Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiAgências bancárias depredadas por manifestantes contra o aumento da passagem de ônibus na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiManifestantes contra o aumento da passagem de ônibus picham poste na Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiAgências bancárias depredadas por manifestantes contra o aumento da passagem de ônibus na Avenida Brigadeiro Luiz Antônio. Foto: Renan TruffiManifestante ateia fogo a lixo na Praça da Sé, durante confronto com a Tropa de Choque. Foto: Renan TruffiCerca de 400 policiais acompanharam o protesto desde a Avenida Paulista. Foto: Futura PressManifestação reuniu mais de duas mil pessoas. Foto: Futura PressProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes mudam rumo do protesto e iniciam descida na rua da Consolação. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloConcentração do protesto na Praça do Ciclista, no início da Avenida Paulista. Foto: Renan Tuffi/iG São PauloPoliciais militares prendem manifestante que tentou bloquear faixa de ônibus na Consolação. Foto: Renan TruffiProtesto contra aumento das passagens de transporte público em São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressManifestantes protestam contra o aumento no valor da tarifa nesta terça-feira(11). Foto: Gabriela Bilo/Futura Press

"Não é a primeira vez que o povo local pede transporte. Muitos abaixo-assinados foram feitos, mas até agora, infelizmente, ninguém se mexeu", conta o padre Paulo Sérgio Bezerra, desde 2001 prestando serviços em Novo Horizonte e há 32 anos na região, na Paróquia Nossa Senhora do Carmo de Itaquera. "A rua principal corta a área inteirinha e bastaria colocar uma perua, ônibus ou microônibus passando por ali que já resolvia a vida de todo mundo. Mostramos no protesto que é perfeitamente possível fazer isso."

Além da distância de cerca de 3 km até o ponto de ônibus mais próximo, os moradores precisam enfrentar a mesma distância para ir ao supermercado, quase 4 km até o posto de saúde, no Jardim Helian, além de 7,6 km até o Metrô Itaquera, o mais perto da região. "Até setembro, pouco antes das eleições, os políticos vinham para cá e prometiam mundos e fundos para o pessoal do Novo Horizonte. Mas, como sempre, no fim abandonaram o povo", diz o torneiro mecânico José Adriano de Souza Alves, um dos ativistas responsáveis pela organização da Kombi tarifa-zero. "A ideia partiu das próprias estudantes da região que estavam cansadas de tanto abandono."

Leia também:
Por tarifa zero, movimento incentiva passageiros a pular catraca em Brasília
De 14 capitais que reduziram tarifa do transporte público, 5 já tiveram aumento
Ônibus começam a circular em Maricá, interior fluminense, sem cobrar passagem

Em nota ao iG, a SPTrans, responsável pela gestão do sistema de transporte público na capital paulista, afirma estar "providenciando estudo para propiciar atendimento no interior do Jardim Novo Horizonte após ter realizado vistoria no bairro e reunião com seus moradores". A estatal explica que o motivo para isso é o fato de as características topográficas da região, com vias estreitas, aclives e declives acentuados, dificultarem o tráfego de linhas.

"A justificativa é falha, porque em toda a área de Itaquera os terrenos têm as mesmas características, com subidas íngremes e ruas apertadas", diz Sérgio Lima, 41 anos, militante do Fórum Popular de Saúde. "Mas a luta continua. Ao menos até as autoridades de fato instituírem esse direito da população no bairro."

Um novo protesto com transporte público popular tarifa-zero está marcado para ocorrer no próximo dia 24 de janeiro.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas