Paróquia da zona norte é assaltada cinco vezes em 20 dias

Por Ana Flávia Oliveira - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Em dois meses, 15 igrejas foram alvo de assaltos; padres reforçam portas, fechaduras e investem em sistemas de segurança com alarmes e câmeras para evitar roubos

Ana Flávia Oliveira/iG São Paulo
Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembé, foi assaltada cinco vezes em 20 dias

Uma onda de assalto está apavorando padres e fieis de comunidades católicas da zona norte de São Paulo. Nos últimos dois meses, 15 igrejas foram alvo de assaltos, diz a Arquidiocese. Algumas foram assaltadas mais de uma vez.

A paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembé, é um exemplo. A igreja foi invadida e roubada cinco vezes em um intervalo de 20 dias. Segundo o padre Antônio Simões Dias, 74 anos, responsável pela igreja, em três oportunidades, os ladrões, em dupla ou trio, agiram de madrugada e usaram pés-de-cabra para arrombar a porta principal do local. “Eles quebraram as portas, os cofres onde ficam pequenas oferendas, remexeram em gavetas, quebraram um ventilador e levaram uma teca (recipiente usado para guardar hóstias), que não tinha valor”, resume o padre.

Em uma das ocasiões, o padre tinha acabado de terminar uma missa e estava, ao lado de três fiéis idosos, fechando a igreja, quando dois homens anunciaram o assalto.

Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembé, foi assaltada cinco vezes em 20 dias. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloPadre Antonio Simões Dias, responsável pela Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembé. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloPortas ganharam mais fechaduras, reforços e barra de ferro. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloPadre Antônio Simões Dias teve que reforçar a segurança das portas depois dos assaltos. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloBandidos usam pé-de-cabra para invadir paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembé. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloDetalhe do estrago feito pelo pé-de-cabra na porta da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, no Jardim Tremembém. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloIgreja Nossa Senhora Aparecida, no Jardim São Paulo. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloHomem que estaria tentando assaltar igreja é flagrado pelas câmeras de segurança. Foto: Reprodução/Facebook

“Quando eles estavam saindo e me esperando fechar a igreja, um homem pediu água, eu falei que não tinha ali. Ele mostrou a arma e anunciou o assalto. Ele dizia que queria o dinheiro do dízimo. Comecei a caminhar para trás e cai. Bati as costas em dois lugares e machuquei o fêmur”, relata o padre, que conta que os homens gritavam e falavam palavrões. Dessa vez, os bandidos levaram cerca de R$ 75, doados por fiéis, e dois celulares de paroquianos que ainda estavam dentro da igreja.

No último assalto, a PM conseguiu prender dois homens que invadiram a igreja. De acordo com o padre, uma moradora de rua viu os homens pulando as grades externas e chamou a polícia. “Ela disse que eles entraram pela porta lateral sem dificuldade. Dessa vez, não foi usado um pé-de-cabra. Ou um deles ficou na igreja escondido e abriu a porta para o comparsa, ou veio antes e deixou os ferrolhos levantados para facilitar a entrada. Ele pode ter arriscado que ninguém fecharia a porta neste meio tempo”, disse o padre. Eles foram presos em flagrante.

Além dos assaltos recentes, o pároco, responsável pela igreja há seis anos, disse que o local já foi alvo de diversos assaltos. “Em um desses, até uma imagem de Nossa Senhora Aparecida levaram”.

Para se proteger desses assaltos, o padre diz que já investiu cerca de R$ 1 mil para proteger as entradas da igreja. Ele trocou fechaduras, reforçou as portas com barras de aço para evitar o uso de pés-de-cabra e colocou grandes barras de aço nas entradas.

Câmeras

Ana Flávia Oliveira/iG São Paulo
Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Jardim São Paulo

A solução encontrada pelo padre Antônio Bezerra de Moura, conhecido como padre Toninho, de 47 anos, responsável pela Paróquia Nossa Senhora Aparecida, no Jardim São Paulo, foi aumentar as grades, instalar dez câmeras e alarme de monitoramento. O investimento foi de R$ 25 mil.

“É uma situação muito triste. A gente se sente vulnerável, desprotegido. As igrejas têm de ficar abertas para os fiéis. Não gosto de igreja fechada, mas é difícil”.

Os equipamentos começaram a ser instalados em agosto deste ano, após o padre ter sido feito refém durante um assalto na casa paroquial. Segundo padre Toninho, dois homens encapuzados e armados invadiram o quarto onde ele dormia, o amarraram enquanto roubavam o dinheiro que estava em cofre e aparelhos eletrônicos. O prejuízo, calcula ele, chegou a R$ 15 mil.

No dia 7 de dezembro, as câmeras e a perspicácia de uma funcionária da sacristia evitaram que a igreja fosse mais uma vez alvo de um assalto.

“Vi pelas câmeras a hora que um homem entrou no banheiro, pouco antes da missa das 10h. Ele ficou cerca de 20 minutos lá dentro. Cheguei a bater na porta para saber se ele estava bem, ele disse que sim. Eu deixei ele lá. Mas ele não estava usando o banheiro. Esperava a sacristia ficar livre para roubar”, diz a secretária e sacristã Marcia Chequer Greppi, 54 anos.

O ladrão esperou as pessoas irem para missa para sair do banheiro e começou a circular pelas salas da sacristia, secretaria e casa paroquial. Não encontrou nenhuma porta aberta, diz Márcia, que via a movimentação pelo monitor instalado na secretaria. Quando o homem chegou à secretaria, ela perguntou se ele queria ajuda. “Ele perguntou onde era o banheiro. Eu percebi o que ele queria. Eu disse: ‘mas o senhor acabou de sair do banheiro’, ele sorriu e saiu. Mesmo assim, ainda rodou mais um pouco e forçou outras portas, mas eu já estava de olho nele”, diz Márcia (veja o vídeo abaixo).

A quantidade e gravidade das situações levaram o bispo da região, Dom Sérgio de Deus Borges, a procurar ajuda das autoridades. O encontro entre o coronel da Polícia Militar da região Kenji Konishi foi intermediado pelo vereador Nelo Rodolfo (PMDB) e aconteceu na semana passada.

Reunião com a PM

“A situação de insegurança em São Paulo chegou a tal ponto que criminosos não respeitam nem as igrejas, nem os padres”, diz o vereador. Segundo ele, um segundo encontro entre o comando da PM e os padres está agendado para a próxima sexta-feira. Na pauta da palestra, os policiais darão dicas de segurança aos membros da Igreja Católica.

“O comandante vai dar palestra para que seja criado um sistema de monitoramento por câmeras, não guardar dinheiro nas igrejas. Na primeira reunião, ele prometeu que vai promover um policiamento mais ostensivo na saídas e entradas das missas e nas regiões próximas às igrejas”.

Procurada, a Polícia Militar não se pronunciou sobre o aumento do efetivo e nem sobre a reunião. Informou apenas que a Secretaria de Segurança Pública responderia à solicitação da reportagem. A SSP informou que foram registrados apenas dois Boletins de Ocorrência de roubos em igrejas. "Foram instaurados inquéritos e as investigações estão em andamento – incluindo as ocorrências ainda não comunicadas à polícia". 

Leia tudo sobre: IGSPIgrejarouboszona norte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas