Último réu do Massacre do Carandiru é condenado a 624 anos de prisão

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-policial militar Cirineu Carlos Letang Silva foi responsabilizado pela morte de 52 detentos em outubro de 92; ele já está preso devido ao assassinato de cinco travestis em SP

Agência Brasil

O último réu do julgamento do Massacre do Carandiru foi condenado, na madrugada desta quarta-feira (10), a 624 anos de prisão em regime fechado. A pena foi aplicada ao ex-policial militar Cirineu Carlos Letang Silva pela morte de 52 detentos que estavam no terceiro pavimento do Pavilhão 9 do complexo penitenciário. O fato ocorreu no dia 2 de outubro de 1992, quando uma operação policial para reprimir uma rebelião resultou na morte de 111 presos. Letang já está preso, condenado anteriormente pela morte de cinco travestis.

AP
Detentos são mantidos sob a mira da polícia após rebelião no Carandiru, no ano de 2001

Por envolver grande número de réus e de vítimas, o julgamento do Carandiru foi desmembrado em quatro etapas, de acordo com o que ocorreu em cada um dos quatro pavimentos da casa de detenção. Os 25 policiais que também atuaram no terceiro pavimento foram condenados em agosto do ano passado, com a mesma pena. Inicialmente, eles seriam julgados por 73 homicídios, mas o Ministério Público entendeu que não houve participação deles em 21 desses casos.

Leia mais:
Julgamento do Carandiru foi uma vitória contra a impunidade, afirma Dilma
“Rio de sangue” impediu perícia no dia do massacre do Carandiru

A separação do júri ocorreu porque a defesa de Letang solicitou à Justiça que fosse feito um exame de sanidade mental antes do julgamento. O julgamento dele ficou suspenso e foi desmembrado. De acordo com o promotor Daniel Tosta, do 2º Tribunal do Júri de São Paulo, o laudo médico, concluído há cerca de um mês, revelou que ele tinha uma personalidade paranoica, mas que pode ser responsabilizado. “À época dos fatos, ele tinha conhecimento da ilicitude dos atos que estava praticando, mas não toda a consciência”, declarou.

Veja fotos da área onde ficava a Casa de Detenção, demolida em 2002: 

Moradora da região, Glória Lopes Marcelino observa os netos jogando futebol no Parque da Juventude. Foto: Carolina GarciaDona Glória aproveita o Parque da Juventude com o neto. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaCriança se divertem no Parque da Juventude, nesta semana. Foto: Carolina GarciaMuralha do complexo pose ser visitada por quem frequenta o parque. Foto: Carolina GarciaCela de área do complexo do Carandiru, no Parque da Juventude. Foto: Carolina GarciaClima de Natal no Parque da Juventude. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina GarciaO Parque da Juventude, dez anos após a implosão do Complexo do Carandiru. Foto: Carolina Garcia

A primeira etapa do julgamento do Carandiru ocorreu em abril de 2013, quando 23 policiais foram condenados a 156 anos de reclusão pela morte de 13 detentos que estavam no segundo pavimento. A segunda etapa foi a que condenou os policiais que agiram junto com Letang. O terceiro grupo de dez policiais foi condenado, em fevereiro deste ano, pela morte de oito detentos que estavam no quinto pavimento. Nove policiais foram condenados a 96 anos de prisão cada, e um a 104 anos [por ter uma condenação anterior].

No quarto júri, foram julgados 15 policiais militares do Comando de Operações Especiais, acusados da morte de oito detentos que ocupavam o quarto pavimento, além de duas tentativas de homicídio. Eles foram condenados a 48 anos de prisão cada, por homicídio qualificado [pena mínima de seis anos para cada homicídio cometido somado à pena de mais seis anos por impossibilidade de defesa das vítimas].

Leia também:
Manifestação lembra 22 anos do Massacre do Carandiru
"A entrada no Carandiru foi legítima e necessária", diz ex-governador Fleury
Promotor exclui 21 mortes de acusação e diz que réus do Carandiru mentem

Tosta avalia que a condenação desse conjunto de policiais envolvidos no massacre demonstra o amadurecimento do regime democrático e o fortalecimento das instituições. “Tivemos o trabalho de várias autoridades nesse processo – o que proporcionou que todas as condenações fossem concretizadas e a justiça fosse feita”, declarou.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas