ONG prevê plantio de 1 milhão de mudas para iniciar recuperação do Cantareira

Por David Shalom – iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Especialistas são unânimes em dizer que, sem recuperação florestal, chuvas não são suficientes para recuperar reservas

Um milhão de mudas para o Sistema Cantareira. É a proposta de um novo programa lançado nesta semana pela ONG Fundação SOS Mata Atlântica, cujo objetivo é iniciar um processo de reflorestamento para de fato começar a recuperar os reservatórios que fazem parte do maior sistema de abastecimento hídrico da América Latina, atualmente responsável por prover água a 6,5 milhões de pessoas em São Paulo.

AFP
Erosão no solo de um dos reservatórios do sistema, que abastece 6,5 milhões de pessoas

"Quando falamos da seca, os governantes sempre batem na tecla das grandes obras, das transposições, das construções de mais sistemas e reservatórios. Talvez essas ações sejam necessárias, mas precisamos começar cuidando do que já existe", diz ao iG Rafael Fernandes, coordenador de Restauração Florestal da ONG. "Tratamos muito mal a água no Brasil. Toda cidade do País tem um riozinho ou um córrego que normalmente está poluído. Temos de mudar isso."

O projeto bate de frente com todos os discursos enaltecidos pelo governo paulista e pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) ao longo do ano para justificar a crise atual. Segundo eles, somente a falta de chuvas em 2014, já prevista desde o ano passado, seria a responsável pela ausência de água na região. Não que ela não tenha sua parcela de culpa, mas o fato de os primeiros temporais de novembro não terem tido capacidade para controlar a queda do Cantareira e de outros sistemas provou que a recuperação dos reservatórios vai muito além da pluviometria.

Leia mais:
Especialistas alertam: chuva será insuficiente para recuperar Cantareira

"A comunidade científica é unânime em ressaltar a necessidade de um mínimo de mata nativa em propriedades de Áreas de Preservação Permanentes [APPs] ao longo dos rios. É possível, necessário e urgente recuperar a Mata Atlântica, pois temos bons avanços em técnicas de restauração. Além disso, sem as florestas não só não chove como, quando chove, os reservatórios não são afetados", diz Leandro Tavares Azevedo Vieira, doutor em Ecologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e professor de Ciências Biológicas da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

"Nova York também passou por um problema de abastecimento recentemente e em vez de fazerem reservatórios ou outras obras paliativas, como o governo paulista tem feito, a cidade investiu na proteção das áreas das nascentes que já a abasteciam. E é o que precisamos fazer."

Veja fotos do cenário desolador das reservas de água em São Paulo:

Represa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

A ideia do projeto é recuperar aproximadamente 400 hectares de mata nativa no entorno dos reservatórios do sistema, o que, segundo a fundação, promoveria a conservação de 4 milhões de litros de água por ano. Parece pouco para a capacidade total de armazenamento de 1 trilhão de litros de seus cinco reservatórios, mas seria um bom começo para um conjunto de bacias que já perdeu cerca de 80% de sua cobertura florestal nativa e que a cada dia possui menos água para armazenar. Hoje, de acordo com a ONG, restam apenas 48,8 mil hectares de verde na região do sistema – 21,5% da área de Mata Atlântica original.

Para isso, foi aberto um edital para que os interessados em promover reflorestamento em suas propriedades enviem propostas à ONG explicando como realizarão os plantios e como cuidarão deles. Áreas de nascente ou próximas a corpos d'água ganham pontuação maior na seleção. Qualquer proprietário de 1,5 hectare a 30 hectares de terra pode se inscrever até 15 de janeiro, quando as propostas serão avaliadas para apontar os escolhidos. As cidades contempladas são as mineiras Camanducaia, Extrema, Itapeva e Sapucaí Mirim. No Estado de São Paulo, fazem parte do programa Bragança Paulista, Caieiras, Franco da Rocha, Joanópolis, Mairiporã, Nazaré Paulista, Piracaia e Vargem.

A partir de dezembro de 2015, os escolhidos receberão monitoramento anual que apontará como está a evolução dos plantios. Espera-se que dentro de três anos todas as áreas plantadas já estejam cobertas de verde, com "cara de floresta", como define o coordenador da ONG. Se após o período as ações forem classificadas como bem conduzidas, haverá bonificação aos proprietários – que vai de R$ 1,2 mil a R$ 8,6 mil. Todas as mudas a serem plantadas – um total de 1 milhão a um custo de R$ 2 milhões – serão doadas pela fundação aos contemplados.

Leia também:
Seca do Cantareira pode levar SP a depender de caminhões-pipa e água engarrafada
Funcionários da Sabesp são ameaçados por moradores em bairros onde falta água
Ex-presidente da Sabesp releva dados e elogia gestão da crise: "Case de sucesso"

"As autoridades enganam ao não revelar que a crise tem muito mais a ver com a falta de gestão ambiental do que com a estiagem", afirma Adacto Ottoni, professor do Departamento de Engenharia Sanitária e de Meio Ambiente da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj). "Reflorestar é amplamente mais barato do que qualquer obra programada, qualquer projeto de reuso do recurso, além de essencial em longo prazo. Só falta vontade política."

Leia tudo sobre: cantareiracrise hídricaigspsos mata atlântica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas