Ex-seminarista foi condenado a 33 anos e 9 meses de prisão, acusado de matar o pai e a madrasta em março de 2004

Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse
Alice Vergueiro/Futura Press
Réu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse

O ex-seminarista Gil Rugai, condenado a 33 anos e 9 meses de prisão pelo duplo homicídio qualificado do pai, Luiz Carlos Rugai, e da madrasta, Alessandra de Fátima Triotino, em 2004, se entregou à polícia na manhã desta quarta-feira (5) em São Paulo.

Gil Rugai se entregou em casa e foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

O interrogatório: 'Não fui eu. Agora quem foi eu não sei', diz Gil Rugai

Nessa terça-feira(4), a 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão condenatória de Gil Grecco Rugai. A justiça determinou ainda a expedição de mandado de prisão imediata do réu. 

O desembargador Luis Soares de Mello Neto afirmou: “esmiuçadas as teses defensivas e os depoimentos de todas as testemunhas, não se vislumbra, sequer nas minúcias, uma fagulha de prova que possa concretizar-se como evidência de que a decisão dos jurados tenha se dado manifestamente contrária”.

O crime

De acordo com o Ministério Público, Gil Rugai, então com 21 anos, teria aproveitado o silêncio da noite do dia 28 de março para se aproximar da casa dos pais, na rua Atibaia, em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, e arrombar uma das portas a pontapés. Empunhando uma pistola calibre 380, o jovem matou o casal: Alessandra levou seis tiros e Luiz Carlos foi morto depois de receber cinco tiros nas costas.

Ministério Público pede tornozeleira eletrônica para monitorar Gil Rugai

Após condenação, Gil Rugai cancela matrícula em universidade do RS

Promotoria e Polícia Civil afirmam que as provas colhidas durante o processo colocam o estudante na cena do crime. Em vão, a defesa tentou provar que o acusado era inocente e que trabalhava na hora do crime.

Antes da decisão desta sexta-feira, a disputa judicial que durou nove anos e já prendeu e soltou Rugai duas vezes, colocou sob suspeita um juiz e uma promotora e gerou uma série de provocações entre defesa e Ministério Público.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.