Após protesto e bombas da PM, reintegração ocorre com tranquilidade em SP

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Cerca de 150 famílias, aproximadamente 500 pessoas, vivem na região de Itaquera desde setembro de 2011

Agência Brasil

Ocorre em clima de tranquilidade a reintegração de posse de um terreno na Rua Zituo Karasawa, em Itaquera, zona leste da capital paulista. Cerca de 150 famílias, aproximadamente 500 pessoas, vivem na área desde setembro de 2011, de acordo com a secretaria de Segurança Pública (SSP). No início da manhã de ontem (3), um protesto de moradores contra a medida judicial bloqueou a Avenida Jacu-Pêssego, que fica próxima ao terreno. Os manifestantes foram dispersado pela Tropa de Choque da Polícia Militar com bombas de gás lacrimogêneo.

A vigilante Josielma Farias contou à Agência Brasil que mora no local há cinco anos e que precisou ocupar a área pelo alto preço do aluguel em Itaquera. “Eu pagava quase R$ 500, incluindo água e luz. Na época eu ganhava R$ 800. Imagina o que é criar dois filhos, porque sou mãe solteira, com R$ 300”, relatou. Ela informou que não há um movimento organizado por moradia no local. “Já sabíamos que tinha esse terreno aqui abandonado há muito tempo, que só servia para ser ponto de desova. Todo mundo morava aqui perto e um foi falando para o outro”, relembrou.

Futura Press
Reintegração de posse ocorre com tranquilidade em terreno da zona leste de SP


Ela reclama do pouco tempo que tiveram para organizar a saída. “Ficamos sabendo com uma semana, só”, declarou. Junto com os filhos de 9 e 7 anos, ela quer reconstruir o barraco em um terreno ao lado, que não é alvo de reintegração de posse. “São donos diferentes. O pessoal de baixo, que ocupou lá nesse lado, vai auxiliar a gente”, explicou. A dona de casa Patrícia Braga, moradora da área que não será destruída, é uma das que está ajudando no deslocamento das famílias. “Hoje está tudo pacífico. As pessoas estão saindo, deixando suas casas. É muito triste”, disse a mãe de três filhos, que também teme, futuramente, ter que deixar a sua moradia por ordem judicial.

A SSP informou que a medida judicial foi determinada pela juíza Daniella Carla Russo Greco de Lemos, da 3ª Vara Cível, do Foro de Itaquera. A reintegração foi solicitada pela empresa Mellcore – Administração e Participações, proprietária do local. O despejo teve início por volta das 6h e, segundo a Polícia Militar (PM), foram mobilizados 130 agentes para a operação. No início da manhã, os moradores montaram barricadas, mas logo elas foram desfeitas, sem que houvesse ação da polícia e teve início a retirada dos pertences das famílias.

Leia tudo sobre: iGSPSão Pauloreintegração de posseItaquera

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas