População de Itu faz novos protestos contra a falta de água

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Moradores colocaram fogo em pneus e reivindicaram uma solução para o problema da cidade do interior paulista

Agência Brasil

A população de Itu, município a 100 quilômetros da capital paulista, continua protestando contra a crítica situação de falta de água. Ontem (21), moradores colocaram fogo em pneus e reivindicaram uma solução para o problema.

De acordo com a advogada Soraia Escoura, que participa do movimento Itu Vai Parar, as manifestações têm surgido espontaneamente conforme a revolta da população aumenta.

Condomínios tentam parceria com Sabesp para criar poços artesianos

Alckmin anuncia novo bônus para quem economizar água

“Todos os dias têm acontecido manifestações. E não [há] uma coisa única, cada bairro faz a sua manifestação. Na segunda-feira (20) foi maior do que ontem, as pessoas estão colocando pneus nas ruas e colocando fogo para chamar, realmente, a atenção”, disse ela. Soraia conta que está há 11 dias sem água em sua casa.

Represa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

A advogada entregou um abaixo-assinado com mais de 3 mil assinaturas no dia 14 deste mês ao Ministério Público pedindo intervenção do estado em Itu. “Foi oficiado na Procuradoria Geral um requerimento de intervenção. A promotoria também fez um requerimento de instauração de inquérito policial contra o prefeito [de Itu]”, declarou.

Segundo liminar da Justiça, as residências e comércios de Itu não poderiam ficar mais de 48 horas sem água, o que não vem sendo cumprido pela concessionária Águas de Itu. Soraia defende, além disso, que seja decretado o estado calamidade pública no município. A prefeitura, por sua vez, informa que Itu ainda não se enquadra nas normas de calamidade pública, que implicaria caos total, com escolas e hospitais sem funcionar e epidemias ou surtos de doenças.

Leia tudo sobre: iGSPSão Pauloitusecacantareirasistema cantareira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas