Construção dos poços custa cerca de R$ 20 mil. Síndicos estão sendo orientados a pedir colaboração dos condôminos

O Sindicato dos Condomínios do Estado de São Paulo com a Associação de Síndicos e Sub-síndicos (ASSCOESP) está tentando negociar com a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) uma parceria para construir poços artesianos nos condomínios, devido à crise hídrica.

Leia também: 
Justiça libera uso da 2ª cota do volume morto do Sistema Cantareira
Após nova queda no Cantareira, São Paulo estuda ampliar bônus na conta

"Procurei a Sabesp na última semana e apresentei a proposta. Agora estamos aguardando que a companhia marque uma reunião com a associação", afirmou o presidente da ASSCOESP, José Carlos Braga. Os poços artesianos tem o objetivo de captar água do subsolo sem o uso de bombas. 

"Como o valor para a construção desses poços é bem alto, seria inviável fazermos isso sozinhos, por isso decidimos propor essa parceria para a Sabesp", afirmou Braga. O valor mínimo estimado para a construção do poços artesianos é de aproximadamente R$ 20 mil.

A Sabesp confirma o pedido do sindicato e afirma que uma reunião deve ser agendada. A companhia não sinaliza se deve ou não aceitar a proposta.

Mais:
Sabesp captou mais água que o permitido no volume morto do Cantareira
Sem racionamento de água, Cantareira pode levar até 15 anos para se recuperar

Sobre medidas para a diminuição do consumo de água, Braga afirma que os síndicos estão sendo orientados a pedir a colaboração de todos os condôminos. "É importante lembrar que o momento é crítico e que é necessário que todos colaborem e economizem".

Nesta terça-feira (21), o nível do sistema Cantareira está em 3,3%, de acordo com o monitoramento diário da Sabesp.

2º cota do volume morto

A Justiça Federal suspendeu a liminar que impedia o uso da segunda cota da reserva técnica (volume morto) do Sistema Cantareira e determinava que a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (Daee) revissem a retirada feita pela Companhia de Saneamento Ambiental do Estado de São Paulo (Sabesp). 

A liminar obtida no dia 10 deste mês foi proposta em ação dos Ministérios Públicos Estadual (MPE-SP) e Federal (MPF) com o objetivo de garantir que o consumo da primeira parte do volume morto não se esgotasse antes de 30 de novembro e que não provocasse prejuízos às vazões para a bacia hidrográfica dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Determinava ainda que a ANA e o Daee definissem semanalmente as vazões a serem cumpridas com a fixação de metas de restrição ou suspensão de utilização de água pelos usuários.

O documento estabelecia ainda que os órgãos adotassem medidas necessárias para que no prazo de cinco anos ocorra a recuperação do Sistema Cantareira no volume integral, com nível de segurança superior a 95% de garantia de abastecimento.

Bônus na conta de água

Nesta quinta-feira (16), o governador Geraldo Alckmin afirmou que apresentou a Sabesp um bônus gradual para premiar as pessoas que não atingirem a meta de 20% de redução na conta de água para obter o desconto.

Segundo o governador, o desconto será feito de acordo com o que foi economizado e valerá para a região metropolitana e Campinas. "Acho que vai ser aprovado, e essa vai ser mais uma medida para a gente evitar desperdício", afirmou.

A ideia do governo é estimular que as pessoas economizem cada vez mais. "Às vezes a pessoa reduziu o consumo 15%, 18% ou19%, mas não ganhou o bônus, não conseguiu chegar nos 20%, então acaba desanimando. Então, nós propusemos à Sabesp para que dê também bônus menores", explicou Alckmin.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.