Manifestação lembra 22 anos do Massacre do Carandiru

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Além de lembrar os 111 presos mortos, grupo criticou sistema carcerário e as políticas de segurança pública em vigor no País

Agência Brasil

Os 22 anos do Massacre do Carandiru foram lembrados em uma manifestação, na noite dessa quinta-feira (2), na capital paulista. A concentração para o ato começou em frente à Estação da Luz. Acompanhado por uma banda, o grupo seguiu em passeata pelas ruas da região central, passando pela sede da Fundação Casa e terminando em frente a um dos prédios da Secretaria Estadual de Administração Penitenciária. A Polícia Militar estimou que cerca de 250 pessoas participaram do ato.

Leia também:
“Rio de sangue” impediu perícia no dia do massacre do Carandiru
Julgamento do Carandiru foi uma vitória contra a impunidade, afirma Dilma

Veja fotos do julgamento do Carandiru:

Julgamento do massacre do Carandiru, no Fórum criminal da Barra Funda em São Paulo (SP), nesta segunda-feira (29). Foto: Futura PressA nova fase do julgamento conta com 26 policiais no banco dos réus, dos 79 agentes acusados. Foto: Futura PressO massacre que aconteceu em 1992 foi o pior da história do sistema penitenciário brasileiro. Foto: Futura PressO Juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo durante julgamento do massacre do Carandiru, no Fórum criminal da Barra Funda em São Paulo (SP), nesta segunda-feira (29). Foto: Futura PressJulgamento do massacre do Carandiru. Foto: Futura PressHomem protesta pedindo reforma do sistema penitenciário em frente ao Fórum onde acontece o julgamento do massacre do Carandiru. Foto: Futura PressEm outubro do ano passado, cento e onze cruzes foram colocam em frente ao Largo São Francisco por alunos da Faculdade de Direito, em lembrança aos mortos do massacre ocorrido há 20 anos, onde morreram 111 presos. Foto: Futura Press

Além de lembrar os 111 presos mortos, o protesto criticou o sistema carcerário e as políticas de segurança pública em vigor no país. “A ideia do ato é resgatar a memória desse massacre, das violências do Estado e denunciar os massacres da atualidade. Não é só nos presídios, mas também nas unidades da Fundação Casa, com os adolescentes que são espancados cotidianamente”, ressaltou a militante da Rede 2 de Outubro Camila Melo.

A coordenadora e fundadora do movimento Mães de Maio, Débora Maria da Silva, relacionou a violência do massacre às mortes nas ações policiais. “Os massacres continuam na periferia. Então, a gente vê uma relação. Porque nós estamos aqui gritando, lutando como mães. As vítimas do Carandiru eram como se fossem meus filhos”, comparou. “A gente sabe quem está sendo massacrado e quem está sendo encarcerado: geralmente é o pobre, negro, periférico. Não existe cadeia nem cova rasa para rico”, acrescentou.

Também militante da Rede 2 de Outubro Ricardo Campelo criticou a situação das prisões brasileiras. “Essa movimentação de diversos coletivos, juntamente com a Rede 2 de Outubro, visa não só a rememorar um massacre do passado, mas chamar a atenção para uma política sistemática de encarceramento no presente. A situação do parque carcerário brasileiro agora, em 2014, é muito pior do que em 1992”, disse.

Esses problemas podem ser agravar, na opinião dele, com a implementação de parcerias com o setor privado. “O setor privado está de olho no parque carcerário para transformar isso em um negócio”, alertou. Segundo ele, com isso, pode haver pressão para o endurecimento na aplicação das penas privativas de liberdade. “Quanto mais presos, mais lucro”, destacou.

No dia 2 de outubro de 1992, a Polícia Militar de São Paulo matou 111 presos em operação para controlar uma rebelião na Casa de Detenção de São Paulo. Conhecido como Carandiru, o presídio inaugurado em 1920 funcionava na zona norte da capital. O local chegou a abrigar 8 mil detentos no período de maior lotação. A unidade foi desativada e parcialmente demolida em 2002.

Em julgamento dividido em quatro etapas, 73 policiais foram condenados pelo massacre, recebendo penas entre 48 e 624 anos de reclusão.

Leia tudo sobre: manifestaçãomassacre do carandiru22 anosigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas