Com crise hídrica, SP terá agosto seco e sem chuvas nas próximas semanas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com meteorologistas da Climatempo, frentes frias ficam bloqueadas e chuvas, concentradas no Sul do País

O nível dos reservatórios que abastecem São Paulo e diversas cidades de seu entorno continua caindo dia após dia, mas as chuvas que amenizariam a crise hídrica atual não virão ao longo deste mês. De acordo com informações da Climatempo, não choverá nas regiões dos sistemas Cantareira e Alto Tietê nas próximas duas semanas de agosto, o mês mais seco do inverno no País. E a situação deve permanecer semelhante ao longo de setembro.

Patricia Stavis
Nível do sistema Cantareira, o maior do País, chegou a 14,6% nesta quarta-feira

Segundo a meteorologista da Climatempo Patrícia Madeira, no entanto, a boa notícia é que não há previsão de as chuvas de outubro atrasarem - o fim da estiagem no mês 10 é a principal aposta do governo paulista para evitar o racionamento. "A chuva já volta a regularizar no sudeste do Brasil em outubro. Assim, pensando em São Paulo, os reservatórios tendem a subir em novembro, dezembro, a expectativa é de um verão normal", diz ela, fazendo ressalvas para a situação dos sistemas. "Um verão normal não resolve a questão. Precisamos de mais chuva do que o normal."

Leia mais:
Temerosa com seca, população de SP investe em tambores e caixas d´água
Receio de volume morto faz paulistas evitarem água da Sabesp: 'nem com filtro'

Os sistemas Cantareira e Alto Tietê registravam, nesta quarta-feira, 14,6% e 19,6% de nível de armazenamento, respectivamente. Segundo especialistas, os reservatórios de ambos podem secar totalmente em outubro, caso as chuvas previstas para o mês não venham - e enfatizam a adoção de um racionamento.

A seca também ajuda a acumular queimadas em todo o País. Segundo o Sistema de Monitoramento de Queimadas por Satélite do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o Brasil registrou 31.915 focos de fogo de janeiro para cá - aumento de 38% em relação ao mesmo período do ano passado. No líder, Mato Grosso, foram 7.277 focos contra 5.527 de 2013.

Leia tudo sobre: igspcrise hídricacantareiraalto tietê

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas