Pesquisa do Idec constata falta de água em SP

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Instituto recebeu 494 reclamações de consumidores em três dias de campanha; maior parte reclamou também da qualidade

Apesar do governo paulista negar racionamento, pesquisa do Instituto Brasileiro do Consumidor (Idec) constatou que há falta de água em São Paulo e que os consumidores sentem comprometimento na qualidade do líquido que sai das torneiras.

Qualidade da água: Receio de volume morto faz paulistas evitarem água da Sabesp: 'nem com filtro'

Crise: Padarias e cafés fecham as portas na zona oeste de São Paulo

Recomendação: MPF recomenda que governo de SP implemente racionamento de água

Resposta: Sabesp descarta racionamento mesmo com recomendação do MPF

 O resultado parcial da campanha "Tô sem água", que ouviu reclamações de 494 consumidores entre 26 e 28 de julho, apontou que as torneiras ficaram secas diariamente, uma vez por dia em 73% das casas. Outros 17% disseram que falta água mais de uma vez por semana; 5% , mais de uma vez por dia; 3%, uma vez por semana; 1% uma vez por mês e 1% mais de uma vez por mês. A campanha termina nesta quinta-feira (31).

Segundo o Idec, a maior parte das reclamações veio da zona oeste (27%), seguida por zona leste (24%) e norte (23%). A zona sul e a Grande São Paulo aparecem na sequência, com 18% e 8%, respectivamente.

O Idec também questionou sobre o horário em que as torneiras costumam ficar secas. Do total, 74% afirmam que falta água à noite, 9% de manhã, outros 13% durante o dia e a noite todos, e 5% somente à tarde. Além disso, 57% dos consumidores reclamantes disseram que sentem comprometimento da qualidade da água.

"Como se pode observar com o resultado obtido, ainda que parcial, a falta de água, principalmente, no período noturno não pode ser considerada um caso isolado, como vem alegando a Sabesp. Nem mesmo podemos caracterizar como simples 'variação de pressão', como também alardeia a empresa estadual de saneamento", escreveu o Idec, em carta com os resultados parciais da campanha enviada para a Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), a Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp) e governador Geraldo Alckmin. No documento, o Idec diz esperar uma resposta formal o "mais rápido possível".

Outro lado


Por meio de nota, a Sabesp informou que o universo de pesquisa do Idec represa 0,003% dos consumidores atendidos pela companhia. "A amostragem da pesquisa está longe de retratar o universo de clientes atendidos pela companhia". Segundo a Sabesp, são atendidos  6,7 milhões de domicílios na Região Metropolitana de São Paulo. 

A Sabesp informou ainda que o número de reclamações feitas por consumidores em 2014 é menor que no ano passado. "Em maio, por exemplo, foram 39.454 queixas em 2014 contra 47.617 de 2013 (-17,14%). Em junho, nova queda: 31.089 contra 33.122 (-6,14%)". 

Em relação ao pedido de racionamento, a companhia informou que a medida penalizaria a camada mais pobre da população e disse ainda cumprir todas as normas de órgãos gestores, entre eles a Arsesp. 


Sistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis


Leia tudo sobre: IGSPsecaáguasabesparsesp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas