A advogada Ieda Cardosa está presa no Rio de Janeiro e deve ser transferida para São Paulo nos próximos dias

A denúncia feita pelo Ministério Público contra Eduardo Tadeu Pinto Martins e Ieda Cristina Cardoso foi aceita pela Justiça de São Paulo. O casal agora é reú do processo onde são acusados de matar e esquartejar o zelador Jezi Lopes de Souza, em maio deste ano.

A justiça determinou a prisão preventiva de Ieda e, como a acusada está presa temporariamente no Rio de Janeiro, o juiz também determinou a remoção da ré para São Paulo. Eduardo vai responder por homicídio doloso, no qual há a intenção de matar; ocultação de cadáver; falsificação de documento e porte ilegal de arma. A advogada Ieda vai responder por homicídio, ocultação e porte de arma.

O caso

O crime aconteceu no dia 30 de maio. As imagens de segurança do condomínio onde ele trabalhava mostram que, por volta das 15h30 deste dia, o zelador desceu em um dos andares para entregar cartas, mas não retornou nem pelo elevador nem pelas escadas.

As câmeras internas do prédio mostram que, por volta das 17h, o publicitário Eduardo Martins, e a esposa arrastaram uma mala e um saco grande até um veículo Logan preto. Questionado pela polícia, o morador admitiu não ter uma boa relação com o zelador, mas negou que tenha acontecido algo de errado entre eles naquele dia.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.