Sabesp anuncia que pode usar volume morto do Alto Tietê a partir de agosto

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Para especialistas, reserva localizada sob as comportas de captação dos reservatórios do sistema é insuficiente para crise

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) anunciou, em nota divulgada nesta terça-feira (22), que, a exemplo do já praticado no Sistema Cantareira desde maio, deve também começar a utilizar o volume morto - aquele localizado sob as comportas de captação das represas - do Alto-Tietê, a partir de agosto. 

Leia mais:
Seca do Cantareira pode levar SP a depender de caminhões-pipa e água engarrafada

Com o objetivo de evitar o secamento total das represas do sistema no atual momento de estiagem, a nova medida é vista com ressalvas por especialistas, devido ao volume praticamente irrisório da chamada "reserva técnica" no Alto Tietê, que não compensaria o investimento em obras. 

Enquanto o Cantareira possuía em maio 400 bilhões de litros de água excedentes - dos quais 182 bilhões já foram bombeados para a superfície, o que em breve deve ocorrer com outros 100 bilhões - quando iniciou a retirada do volume morto, o Alto Tietê tem, segundo a Sabesp, 10 bilhões de litros na represa Biritiba-Mirim, onde a retirada teria início em agosto, e 15 bilhões de litros na represa Jundiaí, a serem bombeados, "caso haja necessidade, em novembro".

Patricia Stavis
Imagem de fevereiro do Sistema Cantareira: não fosse retirada do volume morto, ele já estaria seco

O professor José Roberto Kachel, que trabalhou no Alto Tietê por mais de uma década, afirma que o pouco volume morto existente no sistema não duraria mais de 20 dias no esquema de distribuição atualmente vigente em São Paulo. "Uma obra para essa retirada seria tão cara e complicada que nem compensaria ser feita. Além disso, diferente do Cantareira, que vai se recuperar apesar do sofrimento que vai ser para isso ocorrer, se o Alto Tietê esvaziar terá sua situação complicando de verdade."

Leia também:
Sabesp aposta em clima, mas especialista alerta que água pode acabar em 100 dias

Antônio Carlos Zuffo, chefe do Departamento de Hidrologia da Universidade de Campinas (Unicamp), concorda: "caso as chuvas previstas para o final do ano sejam menores do que a média histórica, iniciaremos janeiro com volumes negativos, em uma situação muito pior à que começamos 2014".

O Sistema Alto Tietê é composto pelas represas Ponte Nova Paraitinga, Biritiba-Mirim, Jundiaí e Taiaçupeba.

Leia tudo sobre: cantareiraalto tietêsabespcrise de águasigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas