Publicitário e advogada são indiciados por morte de zelador em São Paulo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

O casal é acusado de matar e esquartejar o zelador do prédio em que moravam no dia 30 do último mês de maio

A Polícia Civil indiciou nesta terça-feira (15) o casal, Eduardo Martins e Ieda Cristina Martins, pela suspeita de morte do zelador Jezi de Souza.

A advogada Ieda Cristina Martins disse que não participou da morte e esquartejamento do zelador Jezi de Souza, em maio, no prédio onde moravam na Casa Verde, zona norte de São Paulo. O marido dela, o publicitário Eduardo Martins, já confessou que matou o zelador. Os dois estão presos.

Em entrevista ao Fantástico, da TV Globo, que foi transmitido neste domingo (13), a advogada também negou que tenha envolvimento com a morte do ex-marido, o empresário José Jair Farias, em 2005, no Rio de Janeiro, em que também é suspeita.

“Eu sou inocente, eu sou inocente. Mas provar a minha verdade eu não sei se eu vou conseguir.”

O caso

O crime aconteceu no dia 30 de maio. As imagens de segurança do condomínio onde ele trabalhava mostram que, por volta das 15h30 deste dia, o zelador desceu em um dos andares para entregar cartas, mas não retornou nem pelo elevador nem pelas escadas.

As câmeras internas do prédio mostram que, por volta das 17h, o publicitário Eduardo Martins, e a esposa arrastaram uma mala e um saco grande até um veículo Logan preto. Questionado pela polícia, o morador admitiu não ter uma boa relação com o zelador, mas negou que tenha acontecido algo de errado entre eles naquele dia.

O publicitário, que confessou ter sido o autor do crime, participou da reconstituição feita no litoral paulista nesta segunda (16). Foto: Futura PressPublicitário Eduardo Martins, que confessou ter esquartejado o zelador, participa da reconstituição do crime. Foto: Futura PressAdvogada Ieda Cristina Martins, suspeita de participar do crime, participa da reconstituição nesta quarta-feira (11). Foto: Futura PressPolícia realiza reconstituição da morte do zelador na zona norte de SP. Foto: Futura PressPublicitário teria dito aos policiais que matou o zelador, colocou o corpo em uma mala e fugiu para Praia Grande, no litoral paulista. Foto: Futura PressPoliciais realizam perícia no apartamento do casal Eduardo Tadeu Pinto Martins e Ieda Cristina Martins, suspeitos da morte do zelador Jezi Lopes de Souza. Foto: Nivaldo Lima/Futura PressZelador foi visto pela última vez indo entregar cartas em um andar no condomínio onde trabalhava na tarde de sexta-feira (30). Foto: Reprodução/TV GloboPrédio na rua Zanzibar, no bairro Casa Verde, onde zelador desapareceu. Foto: André Lucas Almeida/Futura PressPrédio na rua Zanzibar, no bairro Casa Verde, onde zelador desapareceu. Foto: Google Maps

Os policiais vasculharam o apartamento do casal e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio. Mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem, mas dentro delas também só tinham roupas.

Indagados pelos policiais, os dois moradores contaram que tinham ido levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram que não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo.

Dois dias depois, Martins foi preso em flagrante enquanto tentava queimar os pedaços do corpo do zelador na churrasqueira de sua casa na cidade de Praia Grande, litoral de São Paulo. Ele confessou o esquartejamento, mas disse aos policiais que a morte do zelador foi acidental e aconteceu durante um discussão entre os dois. Em seu depoimento, Martins disse que Lopes teria caído e batido a cabeça no batente da porta.

Ele afirmou ainda que a sua mulher não teve participação na crime. Ieda chegou a ficar presa, mas após ser inocentada pelo marido, foi libertada. Ela foi presa dias depois por determinação da Justiça do Rio de Janeiro suspeita de matar o ex-marido. O caso foi arquivado sem ser solucionado.

Leia tudo sobre: igspjezi de souzazeladormorteesquartejamentoIeda martinsEduardo Martins

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas