Localizada no extremo leste da capital paulista, a 4 km do Itaquerão, Copa do Povo será usado para moradias populares

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou, nesta segunda-feira (30), o projeto de lei que regulariza a construção de moradias populares no terreno da ocupação Copa do Povo, no extremo leste da capital paulista. O local está ocupado por cerca de 4 mil pessoas organizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) desde o início de maio.

Integrantes do MTST celebram aprovação do Plano Diretor em frente à Câmara, nesta segunda
Facebook/Reprodução
Integrantes do MTST celebram aprovação do Plano Diretor em frente à Câmara, nesta segunda



Foi graças a um acordo com vereadores da base de apoio ao governo que foi alterado o Projeto de Lei 209/2011, de autoria do vereador José Police Neto. Originalmente, a PL tratava da readequação de edifícios humildes para abrigar moradias populares. O projeto foi aprovado com 43 votos a favor, três contra e uma abstenção.

O MTST celebrou a novidade, uma das mais caras reivindicações ao grupo, em frente à Câmara Municipal, onde centenas de militantes sem-teto acampavam desde a última terça-feira (24) para pressionar os vereadores a votarem o futuro do terreno e o Plano Diretor Estratégico, aprovado pelos legisladores horas antes.

"Gritos de alegria, fogos e o povo do MTST pulando, pois a luta foi dura, mas nossa persistência demonstrou que a luta valeu à pena!", escreveu em sua página no Facebook o movimento, pouco após o anúncio da decisão.

O MTST chegou a ameaçar fazer uma ocupação por semana na capital paulista caso o plano não fosse votado. A ameaça começou a ser cumprida no último dia 21 de junho, quando foi ocupado um terreno no Portal do Morumbi, área nobre na zona oeste paulistana.

Veja imagens do protesto do MTST em frente à Câmara Municipal de São Paulo:

Leia também:
Câmara Municipal de São Paulo aprova Plano Diretor Estratégico
Fim da Copa do Mundo pode abalar poder de negociação do MTST

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.