Manifestantes protestam contra prisão de ativistas em São Paulo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

A Polícia Militar impediu que fosse feita uma passeata e cercou o protesto com homens da Tropa de Choque na av. Paulista

Agência Brasil

Fernando Nascimento/Futura Press
Concentração do Vão Livre do Masp. Agentes da Tropa de Choque cercaram manifestantes no sentido Consolação

Manifestantes interromperam na noite desta quinta-feira (26) o tráfego na Avenida Paulista, região central da capital, por pouco mais de uma hora. O protesto era contra a prisão de duas pessoas em um ato contra os gastos da Copa do Mundo, na segunda-feira (23). O grupo se concentrou no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), a partir das 17h. A Polícia Militar (PM) impediu, no entanto, que fosse feita uma passeata e cercou o protesto com homens da Tropa de Choque.

Outro protesto: Protesto contra prisão de manifestantes bloqueia entrada da USP

Segundo o tenente-coronel Marcelo Pignatari, a manifestação só poderia sair às ruas caso as lideranças do movimento se apresentassem, o que não aconteceu. O grupo ocupou, então, a via no sentido Rua da Consolação, em frente ao Masp, onde ficou até as 20h30, quando a maior parte dos participantes já havia abandonado o ato, e a polícia liberou o tráfego. Apesar do clima tenso, não houve nenhum incidente.

Fábio Hideki, funcionário e aluno da Universidade de São Paulo (USP), e o professor de inglês Rafael Marques foram presos por um policial civil à paisana após o término da manifestação contra a Copa, no momento em que os ativistas se dispersavam. A Defensoria Pública e movimentos sociais sustentam que não há provas que os dois praticaram os crimes alegados: de resistência, desobediência, incitação ao crime, formação de quadrilha e porte de artefato explosivo. Ambos estão presos desde a última segunda-feira.

O professor de história da USP, Henrique Carneiro, disse, no protesto de hoje, que acredita na inocência de Hideki. “É completamente improvável [que ele tenha praticado os crimes]. Foi gravado, há o vídeo [da prisão], e a polícia não apresentou as evidências”, ressaltou o professor. Carneiro disse que participou do ato “pela defesa das liberdades democráticas”, e acrescentou: “Acho que houve um prisão absolutamente ilegal, parece quando a ditadura sequestrava as pessoas”.

O movimento Território Livre também classificou as prisões como um ataque às “liberdades democráticas”. “A situação é tão absurda que chegamos ao ponto de ter de lutar pela possibilidade de lutar! Não podemos permitir que esse precedente seja aberto”, enfatiza o panfleto distribuído pelo movimento.

Leia tudo sobre: igspprotestoprisãomanifestantes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas