Em meio a protesto em SP, Geraldo Alckmin se encontra com lideranças do MTST

Por David Shalom , iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Reunião com governador ocorreu em dia de ato em frente à Câmara; 400 famílias acampam no local, segundo coordenador

Enquanto integrantes do MTST ocupavam a calçada e parte da rua em frente à Câmara Municipal de São Paulo, dez coordenadores do movimento tiveram uma audiência com o governador do Estado, Geraldo Alckmin, no início da noite desta terça-feira (24).

Leia também:
Com barracas, MTST promete acampar na Câmara de SP até votação do Plano Diretor
Presidente da Câmara de SP promete "esforço" para votar Plano Diretor até sexta
Coordenador do MTST afirma que protestos serão intensificados durante a Copa

De acordo com Josué Rocha, um dos presentes na reunião, o grupo apresentou uma série de reivindicações ligadas às áreas de moradia, transporte, segurança pública e abastecimento de água. No entanto, apesar da avaliação positiva do militante, houve pouco de avanços concretos nas conversas, que duraram cerca de 1h30 - entre 18h e 19h30.

O coordenador afirmou ao iG que ficou acertada a criação de uma comissão estadual para evitar despejos forçados, citou a possibilidade de aumento de verbas no programa de habitação Casa Paulista, além de um aporte do governo para permitir a construção de mais moradias para o Minha Casa Minha Vida, do governo federal.

Mas a assessoria de comunicação do Estado, que confirmou o encontro, disse ter ocorrido certa distorção em relação ao discurso das lideranças do movimento. Por exemplo, em relação à comissão para evitar despejos forçados, afirmou que tal organização já funciona, apesar de não formalizada, reivindicação do MTST - que sugeriu o nome de Comissão Intersecretarial para Intermediação de Conflitos.

A assessoria ainda disse que a verba da Casa Paulista foi apenas apresentada mas ainda deve ser amplamente discutida e que o aporte para construções do programa de moradia popular Minha Casa Minha Vida depende de conversas com o governo federal.

Veja fotos do protesto desta terça-feira do MTST:

Integrantes do MTST se reúnem para protesto em frente à Câmara Municipal de São Paulo, nesta terça-feira (24). Foto: Ana Flávia Oliveira/ iG São PauloIntegrantes do MTST no segundo ato para pressionar pela aprovação do Plano Diretor em menos de uma semana. Foto: Facebook/ReproduçãoIntegrantes do MTST erguem barracas na frente da Câmara Municipal de São Paulo, nesta terça-feira (24). Foto: Facebook/ReproduçãoGrupo ameaça ficar acampado no local até que o Plano Diretor seja aprovado. Foto: Facebook/ReproduçãoIntenção do protesto é pressionar vereadores a votar o Plano Diretor da cidade. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloManifestantes montaram barracas de lona em frente à Casa. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloNúmero de manifestantes foi crescendo ao longo da tarde. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloMovimento quer que área da ocupação Copa do Povo, na zona leste, seja incluída como terreno para construção de moradias populares. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São PauloProtesto tenta acelerar votação do Plano Diretor, que estabelece diretrizes para planejamento da cidade. Foto: Facebook/ReproduçãoSem-teto chegam ao Viaduto Jacareí, onde fica a Câmara Municipal de São Paulo, nesta terça-feira (24). Foto: Facebook/ReproduçãoBarracas de lona que caracterizam ocupações do MTST são erguidas em frente à Câmara Municipal de SP, nesta terça (24). Foto: Facebook/ReproduçãoÉ o segundo protesto do movimento na cidade em apenas uma semana. Foto: Facebook/ReproduçãoManifestantes do MTST se reúnem antes do ato na Praça da República, próxima à Câmara. Foto: Ana Flávia Oliveira/iG São Paulo

Na área de segurança, o MTST afirmou que Alckmin sinalizou com uma posição de que é possível substituir o crachá numérico e voltar a identificar policiais militares com seus nomes durante o trabalho. Entretanto, a assessoria do governo disse que isso só será possível após uma reunião do chefe do executivo paulista com o secretário de segurança pública do Estado, Fernando Grella, a fim de compreender o motivo para a mudança e a existência de uma viabilidade para retomar o modelo anterior.

Rocha também disse que os representantes do movimento terão uma reunião com o Metrô, a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo) e a Secretaria de Transportes para discutir melhoras relacionadas ao transporte público, além de levar à Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) casos de populações atualmente enfrentando falta d´água e/ou recebendo água de má qualidade em suas casas. A assessoria afirmou que, durante a audiência, Alckmin telefonou à presidente da empresa, Dilma Pena, que teria pedido detalhamento sobre os locais onde esses casos têm ocorrido, o que não foi informado pelos coordenadores.

"Conseguimos alguns avanços. Claro que tínhamos pautas mais amplas e não tivemos respostas positivas para todas. Mas em muitas a posição do governador nos agradou", avaliou Rocha após a audiência.

Ocupando o centro
Desde o início da tarde desta terça, cerca de mil integrantes do MTST, segundo balanço da PM, se concentraram em frente à Câmara Municipal de São Paulo para pressionar vereadores a aprovarem o Plano Diretor, que estabelece as diretrizes para o planejamento urbanístico da cidade nos próximos anos.

Além da votação imediata do texto, com todas as emendas propostas pelo movimento em favor da moradia popular, o MTST reivindica garantias para transformar os terrenos das ocupações Nova Palestina, Faixa de Gaza, Dona Deda e Capadócia, todas na zona sul de São Paulo, e da Copa do Povo, no extremo leste da cidade, em Zonas Especiais de Interesse Social (Zeis), áreas de assentamento voltadas para famílias de baixa renda.

Como o impasse permanece, cerca de 400 famílias de sem-teto, de acordo com o MTST, ergueram barracas de lona na calçada e em uma pista inteira do Viaduto Jacareí para pressionar a votação. O movimento promete permanecer no local até a aprovação do projeto.

O presidente da Câmara Municipal, José Américo (PT), prometeu "esforço" para aprovar o Plano Diretor ainda nesta sexta-feira (27). Apesar da promessa inicial de que o projeto seria votado antes da Copa do Mundo, a oposição segue criando barreiras para a definição, o que pode levar a um novo adiamento.

"Em relação ao posicionamento da Câmara, ainda não temos garantia de nada", disse Rocha.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas