Protesto foi contra a revisão do plano de diretrizes para a cidade que excluiu Ocupação Copa do Povo de suas emendas

Cerca de 2 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) realizaram desde as 14h desta quarta-feira (18) um protesto contra a condução da revisão do Plano Diretor da cidade de São Paulo, na zona sul da capital. O grupo, que calculou em 15 mil o número de presentes - foram 2 mil, de acordo com a PM -, exigiu a inclusão de duas emendas no documento que estabelece as diretrizes para o planejamento da cidade, a principal delas a de incluir a Ocupação Copa do Povo, no extremo leste da cidade, como área para construção de moradias populares.

Integrantes do MTST em passeata pela 23 de maio, uma das principais vias paulistanas, nesta quarta
Facebook/Reprodução
Integrantes do MTST em passeata pela 23 de maio, uma das principais vias paulistanas, nesta quarta

Leia:
MTST veta exibição de Copa e moradores esvaziam ocupação em Itaquera
Coordenador do MTST afirma que protestos serão intensificados durante a Copa
MTST anuncia acordo com governo e fim das manifestações contra a Copa

Plano Diretor Estratégico: Entenda o que pode mudar em São Paulo

Por volta das 15h30, os manifestantes bloquearam três faixas do Corredor Norte-Sul da via no sentido Aeroporto de Congonhas, no bairro da Vila Mariana. O grupo se reuniu na avenida 23 de Maio, na altura do Viaduto Tutoia, e seguiu para a sede do Sindicato da Habitação (Secovi), na rua Dr. Bacelar.

Mais:  MTST volta a protestar nesta quarta-feira contra Plano Diretor de SP

Encerrado pouco antes das 18h, o ato foi pacífico, sem registro de prisões ou confrontos entre manifestantes e policiais, como tem sido padrão nas manifestações do MTST. O último grande protesto do movimento ocorreu no dia 4 de junho, quando, a uma semana da abertura da Copa do Mundo, o grupo caminhou até a Arena Corinthians para se posicionar contra os gastos públicos com a Copa do Mundo e as consequências diretas do Mundial na especulação imobiliária.

O movimento ressaltou em comunicado que há mais de nove meses o plano está na Câmara dos Vereadores e encontra obstáculos para votação. Segundo o texto, a mobilização de hoje é contra “os verdadeiros sabotadores do plano, aqueles que financiam vereadores para fazer a política antipopular e privatista do mercado imobiliário”. O MTST reivindica mais áreas no município destinadas à moradia popular.

O Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo é o principal instrumento de planejamento urbano. Os instrumentos estão sendo revistos “para organizar melhor os espaços da cidade”, como informa o site da prefeitura. O plano vigente é o de 2002.

*Com Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.