Menina de 3 anos morre após ser espancada por mãe e padrasto no interior de SP

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Camilly Vitória Ferreira de Miranda foi agredida porque acordou chorando enquanto padrasto e mãe bebiam; eles foram frios e não demonstraram remorso, diz delegado

Reprodução/TV Tribuna
Menina de três anos morre após ser espancada pelo padastro e pela mãe

Uma menina de três anos morreu após ser espancada pela mãe e pelo padrastro na cidade de Cajati, interior de São Paulo, no último sábado (14). Segundo a polícia, o desempregado Erik Leite de Carvalho, de 32 anos, confessou que agrediu a enteada Camilly Vitória Ferreira de Miranda com socos e pontapés porque ela acordou chorando por volta das 2h da manhã. A menina chegou a ser levada para o hospital, onde já chegou morta. 

"Ele [Carvalho] conta que estava bebendo de madrugada quando a menina acordou chorando. Ele diz que os bateu na menina com socos e pontapés até ela desfalecer e depois foi dormir", segundo o delegado Tedi Wilson de Andrade, responsável pelas investigações. 

Carvalho disse ainda que a mãe de menina, a balconista Rayana Cristina Ferreira de Lima, 22 anos, também participou da agressão. Ela nega, mas também foi presa em flagrante. "Eles não demonstraram remorso pela menina. Foram frios e não choraram", afirmou o Andrade. Além de alcoolizado, Carvalho estaria drogado, disse o delegado.

Ainda de acordo com titular da delegacia de Cajati, em depoimento, os acusados disseram que, após as agressões, acordaram no sábado por volta das 11h e viram "a barbaridade que fizeram com a menina e a levaram no hospital. Eles disseram que ela estava viva e inventaram a história de que ela tinha caída da escada de um bar. Os investigadores foram ao local e não encontraram sinais de queda". Os dois foram levados para a delegacia, onde Carvalho confessou o crime.

A hipótese de que a menina tenha sofrido violência sexual foi descartada por um laudo do Instituto Médico Legal, que ficou pronto nesta terça-feira (17).

Ainda de acordo com o delegado, o casal se conheceu pela internet e estava junto há cerca de dois meses. Há menos de 15 dias, eles moravam no fundo de um bar no centro da cidade, onde Rayana trabalhava como balconista em troca de um quarto nos fundos. A polícia investiga se o local funcionava como casa de prostituição. 

Veja outros crimes em família que chocaram o País:

Velório das crianças mortas a facadas pelo pai São Paulo . Foto: Futura PressSara Kelly, mãe das vítimas, durante velório das crianças mortas a facadas pelo pai São Paulo . Foto: Futura PressMarcelo Pesseghini ao lado do pai, o sargento da Rota Luiz Marcelo Pesseghini. Segundo a polícia, Marcelo é responsável pela morte dos pais. Foto: Arquivo pessoalEstudante de enfermagem Loanne Rodrigues da Silva Costa, de 19 anos, e o padrasto foram encontrados mortos e acorrentados pelos pés a uma árvore. Foto: Reprodução/FacebookSegundo a polícia, os filhos acreditavam que o padrasto de Loane poderia ter planejado matar a jovem e sentiria desejo por ela. Foto: Reprodução/FacebookLoanne e o padrastro tiveram abdômen cortado e órgãos arrancados, segundo a polícia. Foto: Reprodução/FacebookAntes do assassinato, a jovem já havia recebido ameaças de morte e sido agredida com uma paulada na cabeça. Foto: Reprodução/FacebookAmiga de Loanne disse à polícia que o padrasto ligava o tempo todo para a jovem. Foto: Reprodução/FacebookO corpo do menino Joaquim Ponte, de 3 anos, foi encontrado boiando em um rio . Foto: Alfredo Risk/Futura PressO padrastro Guilherme Longo é suspeito do assassinato de Joaquim. Foto: Reprodução/EPTVJoaquim Ponte Marques, de 3 anos, ficou desaparecido por cinco dias. Foto: Futura PressNatália Ponte, mãe de Joaquim, deve responder por omissão. Foto: Piton/Futura PressGuilherme Longo participa de reconstituição da morte de Joaquim. Foto: Futura PressA avó materna de Joaquim, Cristina Ponte, durante o velório. Foto: Futura PressFamiliares, amigos e moradores de São Joaquim da Barra participam do velório do menino Joaquim . Foto: Alfredo Risk/Futura PressUm casal de brasileiros e sua filha de 10 anos foram encontrados mortos dentro de casa. Foto: Reprodução/FacebookA polícia suspeita de duplo assassinato seguido de suicídio por conta dos problemas financeiros enfrentados pela família. Foto: Reprodução/FacebookO motoboy sandro Dota foi condenado a 31 anos por matar e estuprar a cunhada Bianca Consoli. Foto: Futura PressMãe mata as duas filhas e comete suicídio dentro de casa, no Butantã, zona oeste de São Paulo. Foto: Gabriela Bilo/Futura PressAmigas das adolescentes supostamente mortas pela mãe choram em frente à casa da família no bairro do Butantã. Foto: Futura PressGil Rugai foi condenado a 33 anos e 9 meses de prisão pelas mortes do pai e da madrasta. Foto: Futura PressAo ler da condenação do réu, o juiz se referiu a Gil Rugai como um pessoa "extremamente perigosa" e "dissimulada", já que tentava passar a imagem de "bom moço". Foto: Alice Vergueiro/Futura PressRéu Gil Rugai chega ao segundo dia do júri popular, em SP. 'Eu não matei. Sou inocente', disse. Foto: Alice Vergueiro/Futura PressGil Rugai chega ao Fórum da Barra Funda, em São Paulo, com a mãe e o irmão. Foto: Futura PressMaioria do júri concordou que o duplo homicídio foi cometido por motivo torpe, pois Rugai não se conformou por ter sido afastado dos negócios do pai. Foto: AEAnna Carolina Jatobá e Alexandre Nardoni, madrasta e pai da menina Isabella, foram condenados por arremessar a menina do 6º andar do prédio onde moravam. Foto: WERTHER SANTANA/AEAnna Carolina Jatobá cumpre pena na penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. Foto: AEAnna Carolina Jatobá  e Suzane von Richthofen cumprem pena no mesmo complexo penitenciário. Foto: ArquivoSuzane von Richthofen e Anna Carolina Jatobá em Tremembé. Foto: ArquivoSuzanne foi condenada por participação no assassinato dos pais em 2002. Foto: Futura Press

O delegado afirmou ainda que a avó da menina, mãe de Rayana, disse que a filha começou a beber e ter comportamento violento após conhecer o companheiro. Ela ainda tem um filho de cinco anos, que não tem marcas de agressão.

Leia tudo sobre: São PauloCajatiespancadameninapadrastomãe

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas