Publicitário alega que zelador teria morrido após bater a cabeça na porta no momento em que os dois brigavam

A Polícia Civil realiza nesta quarta-feira (11) a reconstituição da morte do zelador Jezi Lopes, no apartamento do publicitário Eduardo Martins, na Casa Verde, na zona norte de São Paulo. O publicitário, que confessou ter sido o autor do crime, e a mulher dele, Ieda Cristina Martins, participam da reconstituição.

Mais: Laudo desmente versão de suspeito de matar zelador em São Paulo

Martins diz que esquartejou o corpo de Lopes, mas alega que a morte foi acidental após uma briga entre os dois. O publicitário foi preso em sua casa na cidade de Praia Grande, litoral de São Paulo, no último dia 2, quando queimava partes do corpo de Lopes na churrasqueira.

À polícia, Martins disse que o zelador bateu a cabeça no batente da porta durante uma discussão na porta do apartamento do publicitário. No entando, segundo os peritos responsáveis pela análise do corpo da vítima, Souza não teve traumatismo craniano, ou seja, a morte não ocorreu da forma como narrada pelo suspeito. Martins, 47 anos, alega que o zelador teria morrido após bater a cabeça no batente de uma porta no momento em que os dois brigavam.

O caso:  Polícia prende moradores suspeitos de matar zelador de prédio em São Paulo

Ieda chegou a ser presa pelo crime, mas foi solta dias depois. Martins disse que ela não teve participação no crime. No entanto, foi presa novamente na última segunda-feira pela suspeita de participar da morte do ex-marido José Jair, que morreu em 2005, no Rio de Janeiro.

A prisão temporária foi decretada no último sábado (7) pelo juiz José Nilo Ferreira, que entendeu que liberdade para qualquer dos dois viria acarretar manifesto prejuízo para a instrução criminal e possível aplicação da Lei.

“Observa-se que, pela simples leitura dos autos e da representação, a autoridade policial está concretamente desempenhando seu papel com afinco, daí porque a pretensão merece ser acolhida no sentido de que efetivamente o trabalho da autoridade policial possa ser ultimado e por fim ultimada também a prestação jurisdicional, seja qual for o resultado, condenando-se ou absolvendo-se”, afirmou o magistrado.

Desaparecimento

As imagens de segurança do condomínio mostram que, por volta das 15h30 da última sexta-feira (30), o zelador desceu em um dos andares para entregar cartas, mas não retornou nem pelo elevador nem pelas escadas.

Ainda segundo o registro policial, uma moradora do 11º andar disse ter ouvido uma discussão em um apartamento do mesmo andar, cujo morador, segundo ela, não teria um bom relacionamento com o zelador.

As câmeras internas do prédio mostram que, por volta das 17h, esse morador do 11º andar e a esposa arrastaram uma mala e um saco grande até um veículo Logan preto. Questionado pela polícia, o morador admitiu não ter uma boa relação com o zelador, mas negou que tenha acontecido algo de errado entre eles naquele dia.

Os policiais vasculharam o apartamento do casal e encontraram mala e sacos similares aos exibidos pela gravação do prédio. Mas verificaram que dentro deles havia roupas e tênis. Depois, desceram com a mulher até o estacionamento e verificaram que dentro do automóvel do casal estava uma mala parecida com as da filmagem, mas dentro delas também só tinham roupas.

Indagados pelos policiais, os dois moradores contaram que tinham ido levar as roupas para uma igreja, mas retornaram porque ela estava fechada no dia. Os policiais informaram na delegaia que não visualizaram nenhum sinal de violência no apartamento do casal ou no veículo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.