Linhas 1-Azul , 2-Verde e 3-Vermelha estão operando em parte das suas extensões; 36 das 63 estações da cidade estão abertas

As linhas 1-Azul, 2-Verde e 3-Vermelha do Metrô de São Paulo seguem operando parcialmente nesta sexta-feira (6), no segundo dia consecutivo de paralisação em função da greve dos metroviários. As linhas 4-Amarela e 5-Lilás funcionam em todas as estações. Das 63 estações da cidade, 36 estão abertas.

Câmeras pela cidade: Veja como está o trânsito em São Paulo

Alternativa: Ônibus e trens da CPTM têm operação especial com greve do Metrô

Bombas de efeito moral: Policiais e manifestantes entram em confronto em estação

Trânsito: São Paulo  tem novo recorde de lentidão das manhãs em 2014

As três linhas que operam parcialmente abriram com atraso de algumas horas. A Linha 1-Azul funciona entre as estações Saúde e Luz; a Linha 2-Azul está aberta entre as estações Ana Rosa e Vila Madalena; e a Linha 3-Vermelha opera entre Bresser-Mooca e Marechal Deodoro.

As outras duas linhas do Metrô funcionam em sua totalidade. A Linha 5-Lilás começou sua operação com 50 minutos de atraso, às 5h30. Já a Linha 4-Amarela, operada pela Via Quatro, tem funcionamento normal desde a abertura, às 4h40.

Confusão

Movimentação na estação Ana Rosa do Metrô de São Paulo, após confronto entre manifestantes e policias, nesta sexta-feira (06), no segundo dia de greve dos metroviários
Ana Flávia Oliveira
Movimentação na estação Ana Rosa do Metrô de São Paulo, após confronto entre manifestantes e policias, nesta sexta-feira (06), no segundo dia de greve dos metroviários

Segundo a companhia do Metrô, durante a manhã, houve piquetes nas estações Ana Rosa, na zona sul e Bresser, na zona leste, para impedir a entrada de funcionários que não estavam aderindo ao movimento. A Polícia Militar foi acionada para dispersar os manifestantes.

Na estação Ana Rosa, policiais e manifestantes entraram em confronto e houve disparo de bombas de efeito moral . A estação foi liberada em seguida e segue aberta.

Trânsito

Assim como ocorreu na quinta-feira (05), a cidade de São Paulo registrou recorde de lentidão no trânsito . Para piorar ainda mais, a chuva que atinge a capital piora ainda mais a condição para circular.

Greve

Na quinta-feira (05), representantes do Metrô e do sindicato tentaram entendimento em uma audiência no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região. De acordo com o sindicato, os representantes da categoria se propuseram a aceitar um valor menor de reajuste salarial do que o inicialmente pedido. Antes, a reivindicação era de 16,5% de aumento, mas, diante da não aceitação da proposta, a categoria falou em aceitar 12,2%. No entanto, o Metrô manteve seu posicionamento de dar 8,7% de reajuste, mantendo o impasse.

Leia mais: Negociações não avançam e metroviários decidem manter greve na sexta

Trens e ônibus

Diante da continuidade da greve, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) informou que os trens da empresa circulam com menor intervalo, em todas as linhas. A estação Corinthians-Itaquera, que atende à Linha 11-Coral, segundo a CPTM, começou fechada por questão de segurança, mas depois foi reaberta. 

Ontem, o fechamento dessa estação na zona leste provocou confusão. Usuários ficaram revoltados, derrubaram e quebraram grades para entrar na área de embarque dos trens da CPTM. A Polícia Militar precisou ser chamada. Segundo a CPTM, a SPTrans deve alterar hoje o itinerário dos ônibus com destino à Corinthians-Itaquera, de forma a redistribuir os coletivos nas demais estações para equalizar o fluxo de usuários.

A Linha 7-Rubi da CPTM, que liga o centro de São Paulo à cidade de Francisco Morato, terá a operação estendida até a Estação Brás, na zona leste.

1º dia

'Estava pensando em desistir', afirma jovem que esperou 2h30 por ônibus em SP

Sem Metrô, vans fazem trajetos até estações por R$ 5 ou R$ 10 em São Paulo

Usuários quebram grades e invadem linha de trem da CPTM em São Paulo

Com greves, São Paulo registra novos recordes de lentidão em 2014

Em nota, Metrô diz que greve é "sofrimento covarde à população"

Dilma considera “lamentável” reação violenta por greve de metrô em SP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.