Sem acordo, metroviários de São Paulo mantêm greve para quinta-feira

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Sindicatos querem aumento de 16,5% para metroviários e engenheiros, mas empresa propôs melhora de apenas 7,8%

Agência Brasil

Mais uma vez, terminou sem acordo a audiência entre os metroviários e a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), nesta segunda-feira (2), no Tribunal Regional do Trabalho da capital paulista. Uma nova audiência de conciliação foi marcada para quarta-feira (4), às 11h, véspera da paralisação aprovada pelos trabalhadores em assembleia, na última terça (27).

“Estão totalmente paralisadas as demandas que os metroviários propõem como meta nas negociações, assim como em reajuste salarial, periculosidade, plano de carreira, equiparação salarial entre outras”, disse, em nota, o Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Metroviários e em Empresas Operadoras de Veículos Leves sobre Trilhos no Estado de São Paulo.

Após a próxima reunião no TRT, os metroviários irão, em assembleia marcada para as 18h30, definir se manterão a decisão de parar. Os sindicatos dos metroviários e dos engenheiros querem aumento de 16,5%, sendo 7,98% (Índice Geral de Preços de Mercado, IGPM) e 7,5% (reajuste real). O Metrô oferece 7,8% para ambas as categorias.

A empresa ainda não se manifestou sobre o novo fracasso nas negociações.

Leia tudo sobre: igspgrevemetroviáriosmetrô

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas