Alckmin inaugura obra para captar volume morto do Sistema Cantareira

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Orçada em R$ 80 milhões pela Sabesp, obra deve garantir o abastecimento de quase 10 milhões de pessoas até novembro

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, inaugurou a primeira obra para captar água do chamado volume morto concentrado na represa Jaguari/Jacareí, em Joanópolis, na manhã desta quinta-feira (15). A barragem, que inicia o processo para evitar a falta d´água para quase 10 milhões de pessoas na Grande São Paulo e em outras cidades do interior paulista em 2014, é a de estado mais crítico do Sistema Cantareira, com menos de 2% de volume útil disponível.

Leia mais:
São Paulo inicia retirada do volume morto do Sistema Cantareira

Vagner Campos / Divulgação
Alckmin dá início à captação de água da reserva técnica da represa Jaguari/Jacareí

O início do processo de captação se deu com gesto simbólico de Alckmin, que acionou o mecanismo responsável por bombear a água da reserva técnica para levá-la à estação de tratamento de Guaraú, responsável pelo tratamento do sistema.

Em discurso, ele exaltou a qualidade da água do volume morto, aquela localizada sob o nível de captação das comportas das represas, cujo uso é visto com ressalvas por especialistas devido à necessidade de maior cuidado em seu tratamento: "É uma água totalmente testada e aprovada pela Cetesb (Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambienta), igual as demais águas."

Leia também
Sem racionamento de água, Cantareira pode levar até 15 anos para se recuperar
Situação do Sistema Cantareira é "sensível", diz ministra Izabella Teixeira
São Paulo aguarda parecer para cobrar multa de quem exceder consumo de água

A obra, orçada pela Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp) em R$ 80 milhões, prevê a retirada de 182,5 bilhões de litros de água do volume morto das represas do Cantareira, pouco menos da metade do total disponível sob as barragens - 400 bilhões de litros. Destes, cerca de 133 bilhões de litros devem ser usados até o final de novembro, mês em que historicamente volta a chover consideravelmente na região.

A Associação Nacional das Águas (ANA, responsável por regular o volume do sistema junto ao DEAA) não descarta diminuir a distribuição à população atendida pelo sistema, já que pode haver déficit de 10 m3/s de água principalmente durante os meses em que chove menos na região das represas, em agosto e setembro. A Sabesp e Governo do Estado, no entanto, seguem negando essa possibilidade.

"Um estudo mostra que conseguiremos passaro período de estiagem", afirmou Alckmin, prevendo abastecimento com volume morto à Região Metropolitana da capital paulista até março de 2015.

Com essa primeira obra, realizada em dois meses e composta por 17 bombas flutuantes, o nível do Sistema Cantareira passa de 8,2% para 18,5%. Equipamentos também estão sendo instalados em outra represa, a de Atibainha, na cidade de Piracaia, etapa que deve levar o nível do sistema a pouco mais de 25%.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas