Guarda municipal é condenada por instalação de câmera no banheiro em Americana

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Funcionários da Guarda Municipal de Americana podem receber R$ 4 mil de indenização por dano moral

A Quinta Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) manteve a condenação aplicada pela Justiça do Trabalho de São Paulo a Guarda Municipal de Americana (SP) por manter uma câmera de vídeo instalada no banheiro, direcionada para os vasos sanitários. A instituição terá que pagar R$ 4 mil por dano moral para cada empregado que ajuizou reclamação trabalhista com pedido de indenização. A instituição tentava reduzir o valor no TST para R$ 1.500 alegando que o valor fixado seria exorbitante e desproporcional.

Mais:
Pintor instala câmera em banheiro de festa no RS
Polícia investiga câmera instalada em banheiro de shopping na Barra da Tijuca

Divulgação
Caso ocorreu com funcionários da Guarda Municipal de Americana

Ao julgar o processo, a Quinta Turma manteve a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (Campinas/SP). Relator do recurso, o ministro Guilherme Caputo Bastos salientou, em sua fundamentação, que o TST, em casos similares, envolvendo a mesma empregadora, fixou a compensação em danos morais em valor superior, de R$ 10 mil.

Caputo Bastos esclareceu que a decisão regional, ao manter o valor da indenização individual em R$ 4 mil, pela violação à intimidade dos trabalhadores, "levou em consideração a extensão do dano, a situação econômica do ofensor e social da vítima, bem como o aspecto pedagógico da condenação, mostrando-se consonante com os princípios da proporcionalidade e razoabilidade".

Testemunhas confirmaram a existência da câmera instalada na luminária do banheiro dos empregados, direcionada para os vasos sanitários. O TRT concluiu que se tratava de "fato constrangedor e ofensivo" à intimidade dos trabalhadores - inviolável, nos termos do artigo 5º, inciso X, da Constituição da República.

Além disso, ressaltou que o poder de direção do empregador, inclusive o de fiscalizar o trabalhador, "deve ser utilizado com cautela, pois o excesso ou abuso de direito, como no caso dos autos, configura ato ilícito e enseja reparação".

Leia tudo sobre: americanacâmera em banheirotrt

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas