Quarto agressor de mulher linchada em Guarujá se entrega à polícia

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Dona de casa foi linchada por populares que a confundiram como sendo de uma suposta sequestradora de crianças

Agência Brasil

Mais um dos agressores que aparecem em vídeo atacando a dona de casa Fabiane Maria de Jesus, de 33 anos, levada à morte após receber vários golpes na cabeça, no último sábado, em Guarujá (SP), se apresentou à polícia, no início da tarde desta sexta-feira (9), acompanhado por um advogado. Por volta das 13h15, o suspeito, identificado apenas pelo primeiro nome, Jair, prestava depoimento no 1º Distrito Policial.

Leia também:
Preso terceiro suspeito de participar de linchamento de mulher no Guarujá
Polícia prende suspeito de participar de linchamento no Guarujá
Retrato falado que motivou linchamento foi feito pela polícia do Rio

Reprodução/Youtube
Fabiane Maria de Jesus, de 31 anos, foi linchada em Guarujá após ser confundida com uma suposta sequestradora de crianças

Com o suspeito, sobe para quatro o total de presos acusados de envolvimento no caso e que deverão ficar detidos por pelo menos 30 dias em caráter temporário. A dona de casa foi linchada por populares que a confundiram com um retrato falado divulgado na página Guarujá Alerta, em uma rede social na internet, como sendo de uma suposta sequestradora de crianças, que usava os menores para magia negra.

Fabiane foi amarrada e espancada até a chegada da Polícia Militar, que teve de fazer um cordão de isolamento para evitar que a população continuasse a agredir a dona de casa. Ela foi hospitalizada e morreu na manhã de segunda-feira (5).

Mais: Mulher linchada em Guarujá carregava Bíblia com foto das filhas

Os demais envolvidos presos são Valmir Barbosa, de 48 anos, localizado pela polícia na última terça-feira (6), Alex Oliveira de Jesus, de 23 anos e Lucas Rogério Fabrício Lopes, de 19 anos, ambos detidos ontem (8).

Fabiane Maria deixou duas filhas e, no próximo domingo, data dedicada às mães, os amigos e parentes farão uma marcha que deve sair da Praça Mário Covas, percorrendo as ruas do bairro onde ela morava, Morrinhos. A intenção é pedir que o caso não fique impune e que haja mais paz no país, justificou um primo dela.

Leia tudo sobre: linchamentoguarujáfabianemorrinhos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas