Dois receberam pena de 37 anos de prisão e o terceiro foi condenado a 36 de reclusão; todos foram condenados pelos crimes de roubo, extorsão, latrocínio e formação de quadrilha

Agência Brasil

A 3ª Vara Criminal de São Bernardo do Campo (SP) condenou hoje (6) três acusados de matar a dentista Cynthia Magaly Moutinho de Souza. Victor Miguel Souza Silva e Thiago de Jesus Pereira receberam pena de 37 anos de prisão cada. Jonatas Cassiano Araújo foi sentenciado a 36 anos de prisão. Todos foram condenados pelos crimes de roubo, extorsão, latrocínio e formação de quadrilha.

Relembre: Dentista é queimada viva durante assalto em São Bernardo

Polícia prende os três suspeitos de atear fogo e matar a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza durante um assalto
Tércio Teixeira/Futura Press
Polícia prende os três suspeitos de atear fogo e matar a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza durante um assalto

Em abril de 2013, o grupo invadiu o consultório da dentista, mas não encontraram dinheiro no local. Tentaram então sacar da conta bancária da vítima. Após constatarem que Cyntia tinha apenas R$ 30, atearam fogo ao corpo dela.

Na sentença, o juiz Edegar de Sousa Castro ressaltou que o crime acabou incentivando delitos semelhantes. “A brutal consequência do assalto cometido pelos réus ganhou imediata repercussão social, o que, pelo lado negativo da exposição midiática, ensejou novos crimes perpetrados pela mesma forma de execução por parte de criminosos associados em quadrilhas, isto é, os agentes passaram a aterrorizar os subjugados mediante a ameaça de atear-lhes fogo. O crime, cometido de forma brutal, causou reflexos em toda a sociedade”, destacou o magistrado.

No início de junho do ano passado, pouco mais de um mês após o assassinato de Cyntia, o dentista Alexandre Peçanha Gaddy também morreu depois de ser queimado vivo por criminosos. Ele foi atacado em São José dos Campos, interior paulista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.