Fogo que destruiu 70 barracos atingiu cinco andares de uma das torres; promessa era de que a comunidade seria retirada e um paisagismo ocuparia os fundos para uso dos condôminos

Renata da Silva, de 25 anos, comprou uma unidade no condomínio com a promessa de ter uma área verde para recreação:
Divulgação
Renata da Silva, de 25 anos, comprou uma unidade no condomínio com a promessa de ter uma área verde para recreação: "Fui induzida a erro"

A produtora editorial Renata da Silva, de 25 anos, está com quase tudo pronto para casar. O último detalhe é receber as chaves do apartamento que ela financiou em 2012 e que deve receber em novembro deste ano. Mas o sonho prestes a se realizar se converteu em um pesadelo no final da tarde do dia 2 de abril, quando um incêndio reduziu a cinzas 70 barracos da Favela Aracati , na Penha, fincada em um terreno logo atrás do condomínio Way Penha, onde Renata vai morar.

O incêndio não só deixou feridos e dezenas de famílias desalojadas como atingiu cinco andares de um dos prédios do condomínio ainda em construção. Irritada, Renata cogita processar a Construtora Living, acusada pelos futuros condôminos de enganá-los: “A vendedora me garantiu que aquela comunidade seria removida em breve porque parte do terreno fazia parte do condomínio, como mostra a maquete.”

Maquete inclui área paisagística prometida aos condôminos; no mesmo local, 70 barracos da Favela Aracati foram consumidos pelo fogo no começo do mês
Renata da Silva
Maquete inclui área paisagística prometida aos condôminos; no mesmo local, 70 barracos da Favela Aracati foram consumidos pelo fogo no começo do mês

Leia também : Incêndio atinge favela na zona leste de SP

Conheça a favela de R$ 50 milhões da zona sul

Em um e-mail trocado com a vendedora, e repassado ao iG , a promessa de remoção da favela foi refeita depois do primeiro incêndio que atingiu a comunidade, ainda em 2012. “Soube que teve um incêndio lá e algumas famílias já foram embora. Como uma parte vai ficar para dentro do condomínio, é certeza que serão todos retirados”, afirmou a vendedora, de nome Kalynka.

Na maquete em exposição durante a venda, o terreno da favela é um grande gramado verde com o símbolo do condomínio. “Eles disseram que o terreno havia sido cedido pela prefeitura, que na área ocupada seria feito um paisagismo, que o pedido de desapropriação já estava feito e que antes de iniciar as obras eles teriam que sair de lá”, se recorda a securitária Fernanda Miranda (31), que pagou R$ 327 mil por sua unidade. “Hoje eu moro com a minha tia. Comprei na Penha para ficar perto da minha família.”

Incêndio na favela atingiu cinco andares de uma das torres.
Renata da Silva
Incêndio na favela atingiu cinco andares de uma das torres.

O taxista Gabriel Rocha Luz (28) se lembra da promessa feita pelo “vendedor Cardoso” antes de decidir comprar o apartamento 23 na torre 3: “Ele informou que seria pago um valor de R$ 5 mil a cada morador da favela além de um auxilio aluguel para a retirada deles até o inicio das obras.”

Com o passar do tempo, no entanto, as torres subiram, a favela cresceu e os compradores começaram a pressionar a construtora. “Aí eles começaram a negar a informação que me deram”, diz Renata. “Acho muito fácil contar qualquer história para fazer a venda e depois lavar as mãos. Na maquete, no fundo à esquerda, note uma parte com muitas árvores. Quando a vendedora me mostrou, disse que essas árvores eram pertencentes à comunidade e fariam parte do nosso condomínio. Esse é o meu primeiro imóvel, não tive condições de avaliar as informações que me foram passadas de modo mais crítico. Fui induzida a erro.”

O bancário Keiller Nascimento Coppi, de 26 anos, confirma a acusação: “Procurei a construtora antes do incêndio e me informaram que havia um processo aberto pela prefeitura para remoção da favela.”

Vídeo: Desabrigados do incêndio na Penha protestam em São Paulo

Segurança

Fernanda diz que, além do engano, teme que novos incêndios atinjam o condomínio. “Estamos falando de segurança. A Defesa Civil comunicou que, se o prédio estivesse com morador, as consequências do incêndio teriam sido muito maiores”. O fogo chegou ao quinto andar de uma das torres, que terá de passar por adaptações. “A construtora informou que vai ter de trocar a fachada, janelas, varandas e toda a fiação”, garante Renata.

Incêndio destruiu 70 barracos, desalojou 1600 pessoas e atingiu cinco andares de futuro condomínio
Reprodução/Facebook
Incêndio destruiu 70 barracos, desalojou 1600 pessoas e atingiu cinco andares de futuro condomínio

Diante da situação, os condôminos se reuniram com a subprefeitura da Penha na última segunda-feira (7). Na ocasião, o subprefeito Miguel Perrella teria afirmado que não tem poderes para impedir a construção de novos barracos, mas sugeriu que a construtora pague um terreno para a prefeitura construir moradia aos desabrigados e sugeriu um curso de brigada de incêndio aos futuros condôminos.

“Faltam sete meses para a entrega das chaves e, assim como eu, muitos já compraram seus móveis. Eu estou com planejados e eletrodomésticos comprados e tenho prazo para retirada, não posso começar do zero agora...”, lamenta Fernanda.

Procurada pelo iG , a Subprefeitura da Penha não respondeu até o fechamento da reportagem. Já a Construtora Living - do grupo Cyrela - “informa que a área vizinha ao Way Penha é uma Área de Proteção Permanente (APP) e que não pertence ao empreendimento. Esta foi a informação disponibilizada na maquete do mesmo."

De acordo com nota encaminhada à redação, "a referida área é de propriedade da Prefeitura Municipal de São Paulo e somente o Poder Público tem legitimidade para requerer e conduzir eventual desocupação. A Living lamenta pelas vitimas do incêndio ocorrido na última semana e afirma que esta disposta a contribuir com a melhor solução.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.