Rebelião na Fundação Casa termina com três funcionários hospitalizados

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Um dos funcionários teve a cabeça cortada por um golpe e o diretor da unidade foi para o hospital com a suspeita de ter tido o braço quebrado durante o tumulto de quase três horas

Divulgação
Funcionário da Fundação Casa teve a cabeça atingida após passar quase três horas como refém de menores rebelados

Três funcionários da Unidade Encosta Norte da Fundação Casa, no Itaim Paulista, foram hospitalizados na noite desta quinta-feira (3) depois de uma rebelião provocada por uma tentativa frustrada de fuga.

A rebelião começou por volta das 16h30, quando sete funcionários foram feitos reféns logo que a fuga foi evitada. Primeiro dois funcionários foram liberados, mas outros cinco permaneceram sob ameaça até as 19h15, quando a polícia finalmente invadiu o prédio e pôs fim à revolta.

Liberados, três reféns foram encaminhados para o hospital após agressão. Um deles levou um golpe na cabeça, abrindo um corte perto da orelha, enquanto o diretor da unidade foi socorrido sob a suspeita de ter um dos braços quebrados.

Mais: Por segurança e reajuste, trabalhadores da Fundação Casa vão entrar em greve

“Um adolescente fugiu, mas foi capturado”, informou o diretor do sindicato da categoria (Sitraemfa), Juzimar Alves. “Dois funcionários estavam tranquilos, mas os outros precisaram ser socorridos. Parece que o braço do diretor foi quebrado. Ele saiu com uma tala no braço e um curativo na cabeça.” Para evitar novas retaliações, os nomes dos funcionários foram preservados.

De acordo com Alves, o objeto usado nas agressões ainda não foi identificado, mas ele explica que, durante rebeliões, os menores costumam quebrar camas e usar os pedaços de madeira como arma. “Outros usam cabos de vassoura ou de rodo.”

A Unidade Encosta Norte tem capacidade para 60 internos e é ocupada atualmente por 55 jovens e adolescentes.

Greve

Insatisfeitos com a segurança nas unidades da Fundação e com a proposta de reajuste salarial de 3,97%, aproximadamente mil trabalhadores da Fundação decidiram no último sábado (29), em assembleia, que toda a categoria vai entrar em greve a partir do próximo dia 10 de abril em todas as unidades do Estado.

Esse valor não cobre nem a inflação do ano passado”, reclama o diretor do Sindicato da categoria, João Faustino. “Nossas perdas já se acumulam há seis anos.”

Os funcionários da antiga Febem pedem reajuste de 53,63% acima da inflação, além de reposição de perdas, isonomia do Plano de Cargos e Salários e maior segurança no local de trabalho. “O governo acredita que a gente só quer reajuste de salário, mas a segurança nas unidades da Fundação é precária”, argumenta Faustino.

Leia tudo sobre: fundação casahospitalizadosfuncionáriosigsprebeliãobrasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas