Retrato computadorizado foi feito a partir de imagens de câmeras, que flagraram suspeito empurrando carrinho

A Polícia Civil divulgou nesta quinta-feira (3) o retrato do suspeito de ter esquartejado e espalhado pedaços de um corpo humano em torno do cemitério da Consolação, no bairro Higienópolis, no centro de São Paulo, no último dia 23. 

Homem aparece em imagens de câmeras de segurança empurrando um carrinho de feira
Divulgação/Polícia Civil
Homem aparece em imagens de câmeras de segurança empurrando um carrinho de feira

Segundo a polícia, o retrato computadorizado foi feito com base em imagens de câmeras de segurança de prédios da região, que filmaram o suspeito empurrando um carrinho de feira, parecido com aquele encontrado em torno do cemitério com o o tronco da vítima.  

As gravações mostram um jovem moreno, de cabelos curtos, caminhando pelas ruas Itacolomi e Sergipe. Ele estava de chinelo branco, bermuda cinza e moletom preto e puxava um carrinho de feira. A cabeça da vítima foi encontrada na Sé (centro) na útlima quinta-feira (27). 

Leia mais: 

Cabeça encontrada na Sé é de corpo esquartejado, diz secretário de Segurança

Câmeras de segurança podem ajudar a esclarecer caso de corpo esquartejado

Para Itagiba Franco, delegado do Departamento Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), o retrato do homem, divulgado pela impensa, pode dar pistas do que aconteceu. "A gente espera conseguir pistas de quem é e onde está esse homem".  

Na semana passada, a família de um homem desaparecido procurou o DHPP com a suspeita de que o corpo encontrado pudesse ser do parente. Franco, que não permitiu que a família visse a cabeça encontrada na Sé, disse que somente o resultado do DNA vai identificar a vtíma. 

"Colhemos o material genético de um familiar e vamos esperar o resultado do exame, que deve ficar pronto na próxima semana". Segundo ele, a cabeça estava em um estado avançado de decomposição e, por isso, não foi possível uma identificação. "São pessoas parecidas, mas não dá para dizer ainda que são a mesma pessoa. A cabeça estava em um estado avançado de decomposição porque ficou em um saco plástico no sol e isso dificulta a identificação visual." 

Caso

Um saco de lixo, com pernas e braços, foi encontrado por volta das 9h do último domingo na esquina das ruas Sergipe e Sabará. Pouco depois, uma gari encontrou um carrinho de feira e um outro saco preto no cruzamento das ruas Mato Grosso e Coronel José Eusébio. Dentro dele estava o tronco da vítima enrolado a uma peça de roupa feminina. Parte da pele foi arrancada - a polícia suspeita que seja para ocultar uma tatuagem.

Um outro saco preto com uma coxa foi encontrado em uma floreira na rua da Consolação. O corpo teve as pontas dos dedos cortadas. De acordo com os legistas, a morte aconteceu na madrugada de domingo e, o esquartejamento, quando a vítima já estava morta.

A cabeça foi encontrada por um morador de rua na tarde de quinta. Ele vasculhava o lixo em busca de comida. Ao mexer no saco plástico que guardava a cabeça, sentiu um cheiro forte e chamou a Guarda Civil Metropolitana (GCM).

As pontas dos dedos e a bacia com os órgãos genitais ainda não foram localizados.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.