Crianças queimadas durante incêndio em favela em São Paulo continuam internadas

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Incêndio atingiu 90% dos 400 barracos que formam a Favela Fazendinha, localizada entre o córrego Aricanduva e um conjunto de prédios em construção na Penha, zona leste de SP

Agência Brasil

Duas crianças - um menino de 5 anos e uma menina de 3 anos - estão internados no Pronto Socorro Tatuapé após terem sofrido queimaduras nesta quarta-feira (2) durante o incêndio na Favela Fazendinha, no bairro Penha. Uma gestante e um homem, cujas idades não foram informadas pela Defesa Civil, também foram socorridos com intoxicação e levadas ao mesmo hospital. A Secretaria Municipal de Saúde informou que o estado de saúde deles será divulgado somente no início da tarde desta quinta-feira (3).

Incêndio em favela deixa 1.600 pessoas desalojadas na zona leste de São Paulo

Incêndio atinge favela na zona leste. Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura PressIncêndio atinge favela na zona leste. Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura PressIncêndio atinge favela na zona leste. Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura PressIncêndio atinge favela na zona leste. Foto: Rodrigo Gazzanel/Futura Pressincêndio zona leste. Foto: Reprodução/GlobonewsO Corpo de Bombeiros já parou o trânsito no viaduto ao lado da favela para tentar acabar com o incêndio. Foto: Reprodução/GlobonewsIncêndio Zona Leste. Foto: Reprodução/GlobonewsIncêndio Zona Leste. Foto: Reprodução/GlobonewsIncêndio Zona Leste. Foto: Reprodução/GlobonewsIncêndio Zona Leste. Foto: Reprodução/GlobonewsIncêndio Zona Leste. Foto: Reprodução/Globonews

O fogo começou por volta das 15h20 de ontem e foi controlado às 23h. Na manhã de hoje, no entanto, bombeiros ainda trabalhavam no local para conter pequenos focos de incêndio. Segundo o Corpo de Bombeiros, 90% dos 400 barracos que formam a comunidade, localizada entre o Córrego Aricanduva e um conjunto de prédios em construção, foram atingidos. Um cadastro feito durante a madrugada confirmou que 1,6 mil pessoas estão desalojadas.

O coordenador-geral em exercício da Defesa Civil Municipal, coronel José Kato, informou que a prefeitura ofereceu abrigo aos desalojados no ginásio do Clube Unileste, no bairro Jardim Maringá, no entanto ninguém foi para lá. Muitos moradores dormiram na rua, no entorno da área incendiada e alguns foram para a casa de parentes.

No início da noite de ontem, ainda durante o incêndio, moradores e policiais militares entraram em confronto. Indignados com a situação, eles fizeram um protesto por moradia e tentaram montar uma barricada com um carrinho de material de reciclagem, mas foram contidos pela polícia, que reagiu com bombas de efeito moral e balas de borracha.

“Algumas pessoas jogaram pedras, por isso tivemos que atuar. Estamos conversando com alguns moradores que fizeram o protesto. Entendemos a situação das pessoas, que ficam mais exaltadas. Por isso, tivemos que dispersar”, justificou o major Márcio Santiago que comandava uma tropa de 60 policiais no local.

Os moradores ouvidos pela reportagem da Agência Brasil contestaram a versão da polícia. Eles negam ter agredido os policiais. “Como a gente ia jogar uma pedra se aqui está cheio de crianças?" , questionou Juliana Martins, de 19 anos. “É nosso direito protestar. Aqui já pegou fogo outras duas vezes, mas nunca acontece nada”, acrescentou Juliana que trabalha como babá.

O líder comunitário Ronaldo Silva disse que a favela existe há seis anos e que este é o terceiro incêndio que atinge a comunidade. “Já é a terceira vez que a gente passa por um incêndio e não fizeram nada. Eu mesmo já perdi tudo três vezes. O que as pessoas aqui querem é moradia”, ressaltou.

Leia tudo sobre: incêndiosão pauloigsppenha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas