Número de furtos e roubos dispara no Metrô de São Paulo

Por Wanderley Preite Sobrinho - iG São Paulo* | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Quebras recorrentes provocam superlotação em plataformas e vagões, criando ambiente para assédios, roubos e furtos, que quase dobraram em 2013 e seguem em crescimento em 2014

Assédio sexual, roubos, furtos e até o caso de uma mulher que perdeu um dos braços depois de empurrada nos trilhos. Nas últimas semanas, as histórias de violência no Metrô de São Paulo disputam espaço na mídia com as falhas cada vez mais frequentes no sistema e queixas sobre superlotação.

Nesta semana: Pelo segundo dia seguido, Metrô de São Paulo apresenta problemas

Especialistas consultados pelo iG afirmam que esses três fenômenos estão intimamente relacionados. As falhas aumentam a superlotação, criando o ambiente perfeito para a prática de violência. Mais: as inúmeras falhas nos trens reformados seriam a principal razão para a superlotação, especialmente na linha 3-Vermelha, que liga as zona leste e oeste.

Mais: Sistema de R$ 750 milhões que reduz espera no Metrô só funciona aos domingos

Metrô e CPTM têm uma grande falha a cada três dias em São Paulo

“Onde há superlotação há crime, isso é um fato”, garante o coronel da PM e conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, José Vicente da Silva. “Estimo que 2% das pessoas que frequentam grandes aglomerações estão dispostas a praticar algum ato violento. O Metrô de São Paulo transporta 1 bilhão de passageiros por ano, o que significa que 20 milhões de pessoas entram no sistema com a intenção de fazer algum mal.”

Carolina Zaine, de 28 anos, foi uma das vítimas. Há três semanas, abriram sua mochila, retiram seu celular e tomaram o cuidado de fechar o zíper. “Olha o grau de profissionalismo! Eu já tinha saído do Metrô. Estava esperando meu namorado na catraca da estação Consolação”, diz.

Problemas: Temida pelas falhas, operadores evitam a frota K do Metrô de São Paulo

Carolina não é exceção: dados da Secretaria de Segurança Pública apontam um crescimento de 78% nos furtos e 90% nos roubos entre 2012 e 2013. Ao todo, 330 pessoas foram roubadas e 6.134 pessoas foram furtadas dentro do sistema de Metrô e trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) só no ano passado. Em janeiro deste ano, único dado disponível até agora, houve aumento de 59% nos roubos e de 12% nos furtos na comparação com o primeiro mês de 2013.

Para se ter uma ideia, o número de roubos fora do metrô em todo o Estado cresceu 8% no mesmo período, enquanto os furtos cairam 0,5%. Foram 257.054 roubos e 542.88 furtos no ano passado.

Responsável por conduzir um dos trens da Llinha-3 Vermelha, a mais saturada (com dez pessoas por metro quadrado), Tiago Ferreira atribui parte da superlotação às falhas no sistema, cada vez mais frequentes. Para ele, que também é diretor do Sindicato dos Metroviários, o maior vilão são os trens antigos, que apresentariam mais falhas depois de passarem pela reforma.

Layal Antanios/Futura Press
Movimentação intensa de passageiros na estação Tucuruvi do Metrô, em São Paulo, na manhã de ontem

Entre 10 de outubro e 9 de novembro do ano passado, os condutores da linha vermelha contaram quantas falhas ocorreram na frota K, a mais problemática: “Foram 696 falhas”, contabiliza Ferreira, que explica. “Essa frota era a antiga frota C, circulando há mais de 20 anos.”

Segundo o condutor, ao invés de reformar, as empresas contratadas pelo Metrô para fazer o serviço dão apenas “um tapa” no visual. “É tudo maquiagem. Claro, eles colocam ar-condicionado, mudam a pintura, trocam bancos, mas por dentro quase nada muda.” Ele conta que até a alavanca utilizada pelo condutor é mantida. “Ele não tiraram nem o mecanismo do limpador, que nem se usa mais. Quem sofre são os funcionários da manutenção.”

Ainda segundo dados do sindicato, as falhas são tantas que o Metrô esconderia as verdadeiras estatísticas. A entidade garante que os trens de São Paulo tiveram 133 falhas notáveis (com mais de seis minutos de parada) no ano de 2013 e 119 ocorrências em 2012, volume 50% maior do que o divulgado pelo Metrô.

Dessas falhas, 20 foram investigadas pela Comissão Permanente de Segurança (Copese), o que significa que colocaram em risco a segurança dos passageiros. Professor de Ferrovias na Escola Politécnica da USP, Telmo Porto explica que, ao contrário do metrô de cidades desenvolvidas, o sistema de trens em São Paulo não é “fechado”. “Isso dificulta a retirada de trens quando há falha, superlotando os vagões, o que aumenta as chances de crime.”

Violência grave sofreu a relações públicas Sandra Cremonese, de 29 anos. Após embarcar no terminal Vila Madalena para ir a um parque em plena manhã de domingo, um homem entrou no vagão onde ela estava e, depois de roubar seu celular, lhe acertou um soco no olho, que lhe rendeu internação, seis pinos e uma placa de titânio. “Um dos ossos de desfez. Passei por uma cirurgia de seis horas que custou R$ 25 mil”, se recorda. “Quando pedi ajuda ao Metrô, eles me disseram que ninguém poderia me socorrer. Já não sei se é mais seguro andar na rua ou no Metrô.”

À reportagem, o Metrô afirma que “todos os sistemas de trens do mundo estão sujeitos a falhas e que elas são proporcionais ao número de viagens realizadas, à quilometragem percorrida e à quantidade de passageiros transportados”.

Segundo o Metrô, são transportados 4,6 milhões de passageiros diariamente e os trens percorrem 74 mil km por dia e realizam 3 milhões de ciclos de fechamento e abertura de portas por dia.

Em relação às frotas modernizadas, a companhia afirma que elas “necessitam de um período de ajustes até que comecem a apresentar seu melhor desempenho”. Sobre a frota K, o Metrô informou que ela “apresenta desempenho semelhante às demais frotas novas ou modernizadas”.

*Com reportagem de Ana Flávia Oliveira

Leia tudo sobre: igspsuperlotaçãometrôsão paulotrênsfalhas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas