Julgamento do Carandiru é o mais complexo do Judiciário brasileiro, diz juiz

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo afirmou que "complexidade desse processo reside no fato de termos esperado por 22 anos por uma resposta do Estado àquelas ações" ao ler sentença

Agência Brasil

O juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo, que presidiu três das quatro etapas do julgamento do Massacre do Carandiru, nesta quarta-feira (2), antes de ler a sentença que condenou 15 policiais militares por quatro mortes de detentos no Carandiru, que este foi o “processo mais complexo do Judiciário brasileiro”. Esta foi a primeira manifestação do juiz sobre o julgamento.

Júri condena policiais a 48 anos de prisão por mortes de detentos no Carandiru

Advogado diz que vai pedir anulação de julgamento do Carandiru

“Este é o processo mais complexo que existe no Judiciário brasileiro de modo que é, sim, o julgamento mais importante da minha vida, como seria o julgamento mais importante da vida de qualquer juiz”, disse Camargo.

A primeira etapa do julgamento foi presidida pelo juiz José Augusto Nardy Marzagão, que foi lembrado por Camargo no dia de hoje.

Segundo o juiz, a complexidade do processo não se encontra somente no fato dele ser composto por 75 volumes e no número de pessoas que envolve. “Não está somente no número de pessoas que perderam suas vidas em razão dos fatos e não está somente no drama vivenciado pelas famílias de vítimas e dos policiais militares. A complexidade desse processo reside no fato de termos esperado por 22 anos por uma resposta do Estado àquelas ações. E esta resposta veio em sua integralidade no dia de hoje. Hoje encerramos o julgamento da totalidade de mortes ocorrida no Complexo Penitenciário do Carandiru”, disse o juiz.

No início desta noite, os sete jurados que compõem o Conselho de Sentença decidiram condenar 15 policiais militares pela ação policial que culminou com a morte de quatro detentos no quarto pavimento (terceiro andar) do Pavilhão 9 da extinta Casa de Detenção do Carandiru. Os policiais foram condenados a 48 anos de prisão, cada um, por homicídio qualificado [pena mínima de seis anos para cada homicídio cometido somado à pena de mais seis anos por impossibilidade de defesa das vítimas].

Na primeira etapa do julgamento, ocorrida em abril do ano passado, 23 policiais foram condenados a 156 anos de reclusão cada um pela morte de 13 detentos. Na segunda etapa, ocorrida em agosto, 25 policiais foram condenados a 624 anos de reclusão cada um pela morte de 52 detentos que ocupavam o terceiro pavimento do Pavilhão 9. No dia 19 de março, os sete jurados que compõem o Conselho de Sentença decidiram condenar dez policiais militares pela morte de oito detentos do quinto pavimento: nove dos policiais foram condenados a 96 anos de prisão cada um, enquanto o outro foi condenado a 104 anos por já ter uma condenação anterior.

Leia tudo sobre: IGSPjulgamentocarandiru

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas