Polícia investiga se cabeça encontrada na Sé é de corpo achado em Higienópolis

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Sacos com partes humanas foram achados no domingo. Nessa quinta, morador de rua encontrou cabeça e alertou a GCM

A polícia aguarda o resultado de exames que podem comprovar se a cabeça encontrada na tarde de quinta-feira (27) na praça da Sé é parte do corpo encontrado no último domingo (23) no entorno do cemitério da Consolação, em Higienópolis, centro de São Paulo.

Leia também:

Cabeça humana é encontrada em saco plástico no centro de São Paulo

Imagens revelam trajeto de suspeito de esquartejamento pelo centro de SP

Corpo esquartejado é encontrado em Higienópolis, centro de São Paulo

Futura Press
Uma cabeça foi encontrada dentro de um saco plástico na manhã desta quinta-feira (27), na Praça da Sé, no centro de SP


"Trata-se da mesma vítima, mas vamos ter cautela e aguardar os exames", afirmou o delegado Itagiba Franco, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) ao jornal O Estado de S.Paulo. Os cortes no pescoço da vítima são compatíveis, mas o Instituto Médico Legal (IML) realiza exames para atestar a ligação.

Testes de DNA já foram relizados nas partes do corpo encontradas no domingo. Novos testes serão feitos na cabeça que, segundo a polícia, tem estado de decomposição avançado, que inviabiliza o reconhecimento. De acordo com a polícia, a vítima é um homem de 30 a 40 anos, branco, de cabelos escuros, que usava bigode. 

O caso

Um saco de lixo, com pernas e braços, foi encontrado por volta das 9h de domingo, na esquina das ruas Sergipe e Sabará. Pouco depois, uma gari encontrou um carrinho de feira e um outro saco preto no cruzamento das ruas Mato Grosso e Coronel José Eusébio. Dentro dele, estava o tronco da vítima, enrolado a uma peça de roupa feminina. Parte da pele foi arrancada - a polícia suspeita que seja para ocultar uma tatuagem. Um outro saco preto com uma coxa foi encontrado em uma floreira da rua da Consolação.

O corpo está no Instituto Médico Legal (IML). O corpo teve as pontas dos dedos cortadas. De acordo com os legistas, a morte aconteceu na madrugada de domingo e o esquartejamento, quando a vítima já estava morta.

A cabeça foi encontrada por um morador de rua na tarde de quinta. Ele vasculhava o lixo em busca de comida. Ao mexer no saco plástico que guardava a cabeça, sentiu um cheiro forte e chamou a Guarda Civil Metropolitana (GCM). 

Reprodução/TV Globo
Imagens permitem identificar trajeto de suspeito de esquartejamento pelo centro de SP

Câmeras

Imagens de câmeras de monitoramento revelam o trajeto do suspeito do crime. As cenas, exibidas pelo Bom Dia São Paulo, mostram o rapaz de perfil, em um ângulo que pode contribuir com a identificação. As gravações mostram um jovem moreno, de cabelos curtos, caminhando pelas ruas Itacolomi e Sergipe. Ele estava de chinelo branco, bermuda cinza e moletom preto e puxava um carrinho de feira similar ao que foi encontrado com um tronco enrolado em uma roupa feminina.

As ruas estavam vazias. Um registro das 7h41 de um dos prédios da região mostra ele passando com o carrinho, descendo a rua Itacolomi. Pelas imagens, o carrinho parecia cheio e pesado. O suspeito vira à direita na rua Sergipe. Câmeras de outros dois condomínios mostram o rapaz andando pelo meio da rua e parando duas vezes para arrumar pacotes dentro do carrinho. Ele atravessa em uma faixa de pedestres e entra na rua Sabará, onde deixou o primeiro saco plástico com partes humanas.

Uma outra imagem mostra ele descendo a rua Sabará, no momento em que a polícia acredita que ele foi pegar outras partes da vítima.

De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, a polícia já havia reunido 40 minutos de gravação na região do cemitério até a noite de quinta. Agentes também procuram imagens de câmeras de monitoramento na região onde a cabeça foi achada. 

Leia tudo sobre: igspsão pauloesquartejamentocrimeviolênciasegurança

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas