Ceagesp avalia necessidade de demolição dos prédios incendiados em São Paulo

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Cabines das portarias ainda apresentavam marcas de destruição na manhã de hoje (17). Segundo a Ceagesp, cerca de 50 mil pessoas circulam diariamente no entreposto

Agência Brasil

Técnicos da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais do Estado de São Paulo (Ceagesp) farão vistorias ao longo desta semana para avaliar se há necessidade de demolir os dois prédios incendiados durante protesto de caminhoneiros na última sexta-feira (14). Em reunião nesta tarde, a direção da Ceagesp prepara um um balanço dos prejuízos, que será apresentado ainda hoje (17). O protesto foi motivado pelo início da cobrança de estacionamento no local.

Mais: Tropa de Choque entra na Ceagesp e controla protesto em São Paulo

Funcionários tentam nesta segunda-feira (17) retirar documentos que sobraram na sede da Ceagesp, que foi incendiada e depredada durante o protesto. Foto: Taba Benedicto/Futura PressManifestação contra cobrança de estacionamento na Ceagesp (14/03/2014). Foto: Edno Luan/Futura PressProtesto contra cobrança de estacionamento na Ceagesp (14/03/2014). Foto: Edno Luan / Futura PressCerca de 300 caminhoneiros quebraram cabines e cancelas, montaram barricadas e depredaram veículos durante o protesto  (14/03/2014). Foto: Edno Luan / Futura PressManifestantes consideram abusiva a cobrança de estacionamento (14/03/2014). Foto: Edno Luan/Futura Press

A análise está sendo feita por engenheiros do Departamento de Manutenção e do Serviço de Segurança do Trabalho da Ceagesp. Foram atingidos durante o protesto o Departamento de Entrepostos da Capital (Depec) e o Setor de Fiscalização. Os 35 funcionários que trabalham no Depec foram dispensados do trabalho hoje, pois ainda não se definiu onde eles serão realocados. Os 37 fiscais, por sua vez, compareceram aos postos de trabalho, pois atuam no interior do mercado.

A companhia voltou a funcionar normalmente nesta segunda-feira, mas com movimento abaixo do normal, segundo a assessoria de imprensa. O local ficou fechado na noite de sexta-feira (14) e na manhã do sábado (15) para limpeza. A cobrança do estacionamento foi suspensa por tempo indeterminado.

As cabines das portarias ainda apresentavam marcas de destruição na manhã de hoje. No asfalto, era possível ver as marcas deixadas nos locais onde um caminhão-guincho e um carro da fiscalização foram queimados.

Segundo a Ceagesp, cerca de 50 mil pessoas circulam diariamente no entreposto. Além disso, em média, 10 mil veículos têm acesso, diariamente, ao local.

Leia tudo sobre: ceagespprédios incendiadosprotestosdemoliçãoigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas