Passageiros da CPTM vivem manhã de caos

Por Patrícia Moraes | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Usuários cansados de esperar por trens seguiram pelos trilhos. Queda de energia lotou plataformas da linha 9-Esmeralda

Patrícia Moraes/iG
Estação Presidente Altino da Linha 9 - Esmeralda da CPTM, que liga Osasco ao Grajaú

Os passageiros de trem que precisam circular entre o Grajaú, na zona sul da capital paulista, e o município de Osasco, na Grande São Paulo, enfrentaram uma manhã de caos nesta quarta-feira (11) por conta de falta de energia. As plataformas da Linha 9-Esmeralda ficaram lotadas desde o início do dia. De acordo com a CPTM, a falha afetou a circulação às 7h10.

Por volta das 9h, cansados de esperar, centenas de usuários que se amontoavam na plataforma decidiram seguir viagem a pé, pelos trilhos, depois que um trem parou na estação Hebraica-Rebouças. Ana Cristina Ferreira, de 19 anos, disse que estava na plataforma nesse momento e contou ter visto usuários revoltados caminhando próximo a um trem em movimento. A CPTM informou que a equipe de segurança agiu e orientou os passageiros para que não andassem pelos trilhos.

Vídeo mostra usuários chegando a pé à estação Pinheiros:

A circulação chegou a ser interrompida no início da manhã, por volta das 7h10, e as composições ficaram paradas nas estações. De acordo com a CPTM, no entanto, às 7h50 os trens passaram a circular  - com maiores intervalos e velocidade reduzida. Por volta das 8h30, as composições circulavam em via única entre as estações Cidade Jardim e Jaguaré.

Metrô de BH falha novamente e deixa estação Central superlotada

O intervalo chegava a cerca de uma hora, de acordo com relato de usuários nas redes sociais. Passageiros reclamaram das composições lotadas, da demora na circulação e relataram casos de usuários que passaram mal nas plataformas. "Acabou de partir o trem que estava em Osasco #L9 Depois de 50 minutos de espera. Vamos ver quanto demora o próximo", tuitou Léo Salles por volta das 8h30. Quem conseguiu embarcar, reclamou do aperto e da lotação.

Funcionários da CPTM restringiram o acesso dos passageiros às plataformas em parte das estações. A São Paulo Transporte (SPTrans), responsável pelo transporte coletivo na cidade, disponibilizou 40 ônibus do Plano de Apoio entre Empresas de Transporte em Situação de Emergência (Paese). 

Veja galeria de fotos:

Plataforma lotada na estação Pinheiros. Foto: Dario Oliveira/Futura PressFilas na estação Pinheiros se estendiam até o segundo andar pelas escadas rolantes, que tiveram de ser desativadas. Foto: Patrícia Moraes/iGUsuários caminham pelos trilhos em direção à estação Pinheiros. Foto: Marcos Bezerra/Futura PressLinha 9 - Esmeralda da CPTM, que liga Osasco ao Grajaú. Foto: Patrícia Moraes/iGTrens partem lotados da estação Osasco (12/03). Foto: Estação Osasco"É um descaso", reclama Fátima Mendonça. Ela desistiu de ir ao trabalho de trem após espera de 40 minutos. Foto: Patrícia Moraes/iG

Na estação Pinheiros, onde o movimento é intenso por conta da conexão com a linha 4-Amarela do Metrô e com um terminal de ônibus, os usuários formavam filas a partir da plataforma que se estendiam pelas escadas rolantes e avançavam pelo segundo andar. Nesta estação foram realizados os reparos no sistema de energia. 

Inconformada com a espera, a assessora parlamentar Fátima Mendonça decidiu abandonar a plataforma da estação Presidente Altino, que serve de ligação entre as linhas das zonas sul e oeste da cidade, ainda por volta das 8h. "É um descaso, as informações são enganosas. Estou há 40 minutos esperando e não vem nenhum trem. Tive que pedir para meu marido vir me buscar e vou chegar atrasada. Até quando ia ficar esperando?", desabafa a passageira. Quem desistiu de seguir de trem teve direito a um novo bilhete ao deixar as estações. 

O reparo foi concluído e a situação começou a se normalizar aos poucos às 10h35, segundo a CPTM. Mas por conta da lentidão dos trens, as viagens ainda eram feitas com as composições mais cheias e com intervalos maiores. A companhia informou às 12h18 que a situação estava normalizada. Cinco horas depois de constatada a falha. De acordo com a CPTM, as causas do problema no sistema de energia serão apuradas.

*Com informações da Agência Brasil

Leia tudo sobre: igspsão paulotransportetransporte públicotransporte coletivotremcptm

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas