Nível de água no sistema Cantareira volta a ficar abaixo de 16%

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Índice voltou a bater em 15,8%, mesmo registrado na sexta (7). Em nota, consórcio de cidades do interior critica Sabesp

O nível de água no sistema Cantareira voltou a bater em 15,8% nesta terça-feira (11), de acordo com informações da Sabesp. O índice, mais baixo da história, já havia sido registrado na última sexta-feira (7). Houve uma pequena elevação do nível por conta das chuvas do fim de semana. 

Veja imagens do sistema Cantareira:

Sistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

Na tentativa de garantir o abastecimento para a região metropolitana, a captação de água do sistema Cantareira passou a ser reduzida na segunda-feira (10). De acordo com o governo do Estado, a medida não afeta o abastecimento, nem resulta em racionamento.

Críticas

Também na segunda-feira, o Consórcio PCJ, formado por municípios e empresas do interior do Estado, emitiu nota em que aponta a necessidade da região metropolitana de São Paulo encontrar outras formas de abastecimento além do sistema Cantareira e declara que há uma "falsa impressão" de que a região tem seu abastecimento garantido em qualquer ocasião.

Segundo a nota, houve um "erro histórico de planejamento" quando se optou pela construção do sistema Cantareira. A medida, segundo o consórcio, custou US$ 1 bilhão. O valor ficou bem abaixo dos US$ 6 bilhões previsto por uma outra proposta de sistema de abastecimento, que previa a construção de sete reservatórios no Vale do Ribeira e que garantiria abastecimento à região metropolitana de São Paulo até 2050. 

Além disso, o consórcio afirma que, para atender um crescimento populacional mínimo de 1% ao ano a Sabesp deveria, nos últimos dez anos, ter ampliado a disponibilidade hídrica para mais 2,5 milhões de pessoas, o que corresponde a 13 m³/segundo. No entanto, manteve-se a dependência do sistema Cantareira. 

Leia tudo sobre: igspsão pauloabastecimentofalta de águaáguasabespsistema cantareira

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas