São Paulo desperdiça quase um trilhão de litros de água por ano

Por Clarice Sá | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Rede de distribuição perdeu 32,1% da água com falhas técnicas e desvios ilegais em 2012. Índice fica abaixo da média nacional de 38,8%. Amapá, líder em desperdício, tem taxa de 73,3%

Quase um trilhão de litros de água foram desperdiçados pelas redes de distribuição de São Paulo em 2012, de acordo com os dados mais recentes da Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado (Arsesp), que fiscaliza a atuação da Sabesp, responsável pelo abastecimento de 27,9 milhões de habitantes de 364 municípios paulistas. O volume corresponde a 32,1% do volume distribuído. Em 2013, a perda foi de 31,2%, mas nem Arsesp nem Sabesp tem dados do volume.

Leia também:

Chuvas precisam triplicar para sistema Cantareira atingir nível ideal

Cidades adotam de alertas em carros de som a multas para enfrentar falta de água

Buscando formas para não propor racionamento de água neste ano, os dados mostram que em 2012 foram 986,6 bilhões de litros perdidos por conta de falhas na rede de distribuição e por desvios irregulares, popularmente chamados de "gatos". Daria para preencher 263 mil piscinas olímpicas, levando em conta as dimensões das construídas no Parque Aquático Maria Lenk.

O valor é 14 milhões de vezes maior que a quantidade de água usada por cada habitante do Estado por ano - estimado em 66,8 mil litros pelo Sistema Nacional de Informações de Saneamento (Snis) do Ministério das Cidades, em 2011. Por dia, o consumo médio dos moradores de São Paulo é de 183,1 litros de água. 

Veja fotos do sistema Cantareira, que abastece a região metropolitana de SP:

Sistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

O taxa fica abaixo da média nacional, de 38,8%. A Sabesp afirma que registrou queda de 10 pontos percentuais entre 2004 e 2013, o que representa sobra de água suficiente para abastecer 3 milhões de moradores. A companhia informa ainda que o crescimento desordenado das periferias, especialmente na região metropolitana, prejudica a redução destas perdas. Por lei, é proibido implantar infraestrutura em áreas ilegais. A expectativa, até o final da década, é diminuir a taxa a 19%.

Reduzir o nível de perdas de água na distribuição a 20% "já seria um céu", na avaliação de Édison Carlos, presidente executivo do instituto Trata Brasil. Na Europa e nos Estados Unidos, a taxa varia em torno de15%. Na cidade de Tóquio, considerada modelo no controle de perdas, é de cerca de 5%. 

O pior cenário do País é visto no Amapá, onde o desperdício era de 73,3% em 2011, segundo o Snis. Em seguida, vem Pernambuco, com 65,7%, e o Acre, com 64,7%. Os melhores resultados estão no Distrito Federal (24,8%), Goiás (31,6%) e Mato Grosso do Sul (31,8%).

Com base nos altos índices de perdas registrados no País, o professor Wilson de Figueiredo Jardim, do Instituto de Química (IQ) da Unicamp, questiona a aplicação de multas para punir o desperdício de moradores. "Quem perde 30% da água que produz, pode moralmente exigir que o consumidor seja punido por desperdiçar água?", diz Lima.

A estratégia foi adotada pelas cidades de Campinas e Valinhos, no interior de São Paulo. O abastecimento na região de Campinas está a cargo da Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), que oferece inclusive serviço de telefone gratuito para denúncias de mau uso da água.

Carlos, do Trata Brasil, alega que o combate ao desperdício deve ocorrer em várias frentes, incluindo consumidores e distribuidoras. "A companhia de saneamento tem de fazer a parte dela, mas o cidadão também." Segundo ele, o brasileiro, em geral, é mal preparado para o consumo de água, o que pode ser notado com o uso de água potável para lavar carros e calçadas, por exemplo. 

Leia tudo sobre: brasiláguaabastecimentodesperdíciofalta de água

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas