Caso Matsunaga tem nova reconstituição

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Acusada de matar e esquartejar o marido em 2012, Elize Matsunaga não participou do procedimento

Uma nova reconstituição da morte do empresário Marcos Matsunaga, marcada para a manhã desta sexta-feira (14), em Cotia, na Grande São Paulo, reúne peritos, investigadores e o promotor José Carlos Cosenzo, do Ministério Público de São Paulo (MP-SP). O procedimento acontece na estrada de terra onde partes do corpo da vítima foram encontradas em maio de 2012.

Relembre crimes que chocaram o País

Após exumação e audiência, juiz confirma que Elize vai a júri popular

Entenda: Justiça autoriza exumação do corpo de Marcos Matsunaga

Relembre o caso:

No dia 18 de maio, Marcos e Elize chegam ao prédio onde moravam na companhia da filha e das empregadas. Foto: Arte iGNo dia 19, os empregados são dispensados e o casal fica com a criança. Câmeras registram Marcos descendo para pegar uma pizza. Ele não seria mais visto depois disso. Foto: Arte iGO empresário é morto com um tiro na cabeça, por uma pessoa que seria destra. Seu corpo é esquartejado. Foto: Arte iGNo dia 20, Elize deixa a residência por volta das 11h30, carregando malas, e fica 12 horas ausente. Só volta às 23h50, sem as malas. Foto: Arte iGNos dias seguintes ao registro do desaparecimento, a polícia encontra sacos plásticos com partes do seu corpo na região de Cotia. Foto: Arte iG

A mulher de Matsunaga, Elize, é acusada de matar o empresário no apartamento onde moravam, esquartejar o corpo e retirá-lo do local escondido em três malas. Presa no complexo penitenciário de Tremembé, no interior de São Paulo, Elize não participa da reconstituição, segundo informações da TV Record.

Em agosto de 2013, a Justiça decidiu enviar a ré a júri popular. De acordo com texto do juiz Adilson Paukoski Simoni, da 5.ª Vara do Júri da Capital, Elize comteu o crime para vingar-se de uma traição e evitar que uma amante lhe trouxesse prejuízos sociais e materiais. Além disso, o homicídio, em maio de 2012, teria o objetivo de ficar com o valor do seguro de vida e a administração dos bens do casal. Marcos Matsunaga era diretor executivo da Yoki.

Leia tudo sobre: elize matsunagamarcos matsunagajustiçapolíciacrime

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas