Manifestante é baleado por PMs depois de protesto contra Copa no Brasil

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Fabrício Chaves está internado na Santa Casa; polícia diz que ele reagiu e carregava faca e artefato explosivo

Fabrício Proteus Nunes Fonseca Mendonça Chaves, de 23 anos, foi baleado por policiais militares na noite de sábado (25), no bairro de Higienópolis, em São Paulo, na mesma região em que acontecia o protesto contra a realização da Copa no Brasil. Segundo a coorporação, ao ser abordado, ele teria tentado esfaquear um dos policiais com um estilete e ainda carregava um artefato explosivo.

Conheça a home do Último Segundo

Leia também:

Veja como foi a manifestação contra a Copa do Mundo em São Paulo

Polícia libera todos os detidos em protesto contra a Copa em São Paulo

Ele levou dois tiros e foi socorrido pela própria PM, que o encaminhou para a Santa Casa. De acordo com o hospital, o jovem deu entrada na noite de ontem e se encontra na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) em estado grave, mas estável. Ele foi baleado um tiro no tórax e outro no pênis. Durante a madrugada, passou por cirurgia, mas o ferimento na pélvis levou à perda de um dos testículos. 

Um outro rapaz, que estaria com ele, tentou fugir, mas foi capturado e levado para o 4º Distrito Policial (DP), no bairro Consolação. O caso está sendo investigado pela Corregedoria da PM e pela Polícia Civil. O delegado requisitou exame pericial para o local e para os objetos apreendidos e exame residuográfico para os policiais militares.

O procedimento adotado pelos policiais, ao socorrer o jovem, contraria uma resolução da Secretaria de Segurança, de janeiro de 2013, que orienta a não remoção de pessoas feridas em confronto. Segundo a norma, o transporte devem ser feito preferencialmente pelo serviço médico de emergência. A medida visa a impedir a descaracterização da cena da ocorrência. O órgão destaca, no entanto, que a remoção pode ser feita caso não haja serviço de emergência disponível ou a espera seja muito longa.

Veja fotos do protesto

Ônibus é depredada na rua Augusta. Foto: Vitor SoranoConcessionária de carros teve vidros quebrados por manifestantes. Foto: Vitor SoranoManifestantes em frente à Prefeitura de São Paulo. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa no Brasil. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa do Mundo no Brasil. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor SoranoManifestação contra Copa toma Avenida Paulista. Foto: Vitor Sorano

O protesto contra os gastos públicos na Copa do Mundo de Futebol partiu da Avenida Paulista por volta das 17h e no início da noite chegou ao centro da cidade, onde houve confronto entre policiais e manifestantes. Na tarde de hoje (26), com base nos registros das delegacias, a secretaria atualizou o número de detidos para 135. Doze eram adolescentes. A PM havia informado, inicialmente, o número de 146 detenções. Todos foram liberados na madrugada de hoje (26) após prestar depoimento.

Os detidos respondem por dano, localização e apreensão de objetos irregulares, lesão corporal, resistência, porte de arma e de droga, dano qualificado e furto. A manifestação, marcada para o dia da festa dos 460 anos da cidade, foi a primeira do ano da Copa do Mundo no Brasil. São Paulo é uma das cidades-sede da Copa.

Ontem, por razões de segurança, a prefeitura cancelou parte da programação do aniversário da cidade. As atividades do projeto SP na Rua, que reúne coletivos urbanos, ocorreriam a partir das 22h em ruas do centro. Pequenas pistas de dança e atividades culturais seriam montadas por grupos como o Voodoohop, Santo Forte, Pilantragi, A Rua é Show, entre outros. Em nota, o governo municipal diz que estuda realizar o evento em outra data.

Leia tudo sobre: Manifestaçãoblack blocigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas