Promotoria abre inquérito para investigar ação da Polícia Civil na Cracolândia

Por Ana Flávia Oliveira -iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

MP vai convocar diretora do Denarc, Elaine Biasoli, e corregedor da Polícia Civil, Osvaldo Miyazaki, para prestar esclarecimentos sobre ação do departamento

O Ministério Público (MP-SP) vai investigar a ação de policiais do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc) na região da Cracolândia, no centro de São Paulo, na tarde de quinta-feira (23).

Conheça a home do Último Segundo

Leia também

Ministro e secretário da Saúde visitaram a cracolândia antes da ação da polícia

Polícia Civil realiza operação na Cracolândia

A investigação será comandada pelos promotores de Justiça, Direitos Humanos e Saúde Pública, Arthur Pinto Filho; de Infância e Juventude, Luciana Bergamo, e de Habitação e Urbanismo, Mauricio Antonio Ribeiro Lopes.

O objetivo da ação é apurar as condições em que ocorreu a ação do Denarc na Cracolândia e a suposta participação de policiais do Denarc no tráfico de drogas na região. “Acho estranha a forma como se deu a ação. O Denarc sempre agiu de forma sigilosa. Nunca agiu com estardalhaço”, disse o promotor Pinto Filho.

“Nós queremos saber quem era o traficante preso às 15h30 na região, queremos ter acesso a investigação da polícia que apontou esse homem, saber qual a quantidade de drogas que ele tinha; queremos saber porque 30 pessoas foram presas para averiguação e só quatro ficaram detidas, queremos saber quem são essas pessoas”, diz Pinto Filho. Segundo ele, “prender para averiguar não tem guarida na legislação brasileira”.

A diretora do Denarc, Elaine Biasoli, e OsvaldoNaoki Miyazaki, corregedor em exercício da Polícia Civil, fserão convocados pela promotoria para prestar esclarecimentos no dia 6 de fevereiro.

A Corregedoria da Policia Civil já instaurou procedimento para investigar eventuais excessos dos policiais e a suposta participação de agentes do Denarc no tráfico de drogas na região.

Segundo o promotor, a Polícia Militar não está impedida de realizar ações truculentas na região da Cracolândia.

Operação

Na tarde de quinta-feira (23), houve confronto entre policiais civis e dependentes químicos. Segundo reportagem do Estado de S.Paulo, agentes do Denarc usaram bombas de efeito moral e bala de borracha, contra a multidão, que revidou com pedras. Várias pessoas foram detidas.

A área do confronto fica perto da região onde a Prefeitura de São Paulo realiza a operação Braços Abertos, que tenta recuperar viciados dando moradia, alimentação e emprego.

“Fico preocupado porque foi uma ação diferente e muito sensível na região da Cracolândia, que está lutando para mudar a realidade social com a participação do Estado e da prefeitura. O trabalho pode ser jogado no lixo porque os dependentes terão receio até mesmo da aproximação de agentes. Eles não sabem diferenciar. Para eles, é tudo Estado. É um recuo muito grande”, diz o promotor Pinto Filho.

Leia tudo sobre: IGSPCracolândiaDenarcBraços Abertos

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas