Shoppings precisam entender 'pureza' dos rolezinhos, diz Netinho de Paula

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Secretário pretende reunir jovens e empresários em mesa de negociação para evitar ação policial

O secretário municipal de Promoção da Igualdade Racial de São Paulo, Netinho de Paula, afirmou que pretende reunir em uma mesa de negociação jovens organizadores de rolezinhos e representantes dos shoppings centers, durante entrevista à rádio Estadão na manhã desta quinta-feira (16). 

Conheça a home do Último Segundo

“É crueldade de classe tratar rolezinho como arrastão”

"Tem gente infiltrada nesses rolezinhos"

O plano da secretaria é, com o apoio do Ministério Público, dialogar primeiro com representantes de centros comerciais e, em seguida, reunir-se com os adolescentes. O último passo será reunir jovens e empresários para discussão. “Se a gente conseguir encontrar uma mediação, a polícia não vai precisar bater em ninguém”, afirmou.

Ao menos 11 jovens foram detidos e levados para delegacia neste sábado (11), após rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloAfastados pela polícia com tiros e bomas de efeito moral, garotos se munem de pedaços de pau para se defender. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iGPor uma rede social, adolescentes marcaram rolezinho no shopping Itaquera, zona leste de São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPor volta das 17h, os grupos começaram a chegar ao centro comercial na zona leste de São Paulo. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloNos encontros, os adolescentes ostentam roupas caras e flertam com as meninas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPolícia acompanha movimento após jovens marcarem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloCom medo do grande número de participantes do encontro, comerciantes começaram a fechar as lojas. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloLojas são fechadas durante rolezinho marcado no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloJovens fazem rolezinho no shopping Itaquera. Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São PauloPoliciais detêm jovens que participavam de rolezinho neste sábado (11). Foto: Wanderley Preite Sobrinho/iG São Paulo

Desde o fim do ano passado, rolezinhos organizados nas redes sociais têm reunido centenas de jovens em shoppings da capital paulista para paquerar, ostentar roupas caras e ouvir música. Os encontros, no entanto, têm assustado lojistas e frequentadores por conta de gritaria e corre-corre.

Pelo mundo: Rolezinhos são realidade há anos em shoppings dos EUA

Música: A trilha sonora do "rolezinho"

Comportamento: Rolezinho no shopping "é para pegar mulher”

Segundo o secretário, os adolescentes se reúnem para se divertir e não têm interesse em causar tumulto. “Eles querem mostrar que têm condição de estar perto do que eles cantam. Eles cantam a ostentação e nesses ambientes é o que está à venda”, afirmou o secretário. “É necessário que shopping também tenha entendimento dessa ingenuidade, dessa pureza da manifestação”.

Assista ao corre-corre do último sábado (11) no Shopping Itaquera:

Netinho pretende sugerir aos shoppings que utilizem o espaço para promover eventos voltados a este público, que tem o direito de frequentar os centros comerciais. “Vamos propor que o shopping tome atitudes que não sejam apenas proibir os jovens de dar o rolezinho mas, sobretudo, abrir o estacionamento a eventos, fazer concursos, usar marcas para poder ter esses jovens. Proibir é fazer com que os jovens queiram estar”.

Leia também:

Shoppings pedem para bloquear páginas do Facebook sobre rolezinho

Polícia usa bala de borracha e spray para acabar com rolezinho em shopping

Vídeos mostram rolezinho no shopping antes da repressão policial

O público dos rolezinhos é formado por jovens de 15 a 21 anos, que dedicam muito tempo à internet e, em sua maioria, não concluíram o Ensino Médio, segundo o secretário. “Você tem uma educação que pode ser erudita ou uma educação do consumo. Eles optaram pela mais fácil, pela que seduz, pela educação do consumo”, disse Netinho, que atribui o desinteresse pelo ensino aos programas de progressão continuada.

Leia tudo sobre: netinhorolezinhonetinho de paulashopping center

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas