Padrasto de Joaquim alega inocência: 'Estou preso por um crime que não cometi'

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Guilherme Longo foi indiciado por homicídio triplamente qualificado e pode ser transferido para penitenciária

O padrasto do menino Joaquim, Guilherme Longo, foi indiciado por homicídio doloso triplamente qualificado na quinta-feira (19), de acordo com a EPTV. Joaquim morreu em 5 de novembro em sua casa no Jardim Independência, em Ribeirão, e o corpo foi localizado cinco dias depois boiando no Rio Pardo, em Barretos.

Conheça a nova home do Último Segundo

Futura Press
Joaquim Ponte Marques, de 3 anos

Na quinta-feira, após passar por interrogatório em Ribeirão Preto, ele alegou inocência e disse que não esperava o indiciamento. "Imaginava que não, porque sou inocente", afirmou Longo à EPTV. "Minha família foi destruída, estou preso por um crime que não cometi."

As qualificadoras do crime são motivo torpe, impossibilidade de defesa da vítima e a maneira como a criança foi morta. A defesa alega que a polícia nao tem provas suficentes contra o padrasto, pois não se sabe o dia exato do crime, o motivo e os meios usados para praticá-lo.

Leia também:

Assassino de Joaquim estava dentro de casa

Dosagem errada de insulina pode ter matado o menino Joaquim

Justiça quebra sigilo telefônico de padrasto e mãe de Joaquim

Reprodução/EPTV
Guilherme Longo

A polícia deve pedir prisão preventiva de Longo até segunda-feira (23). Caso o pedido seja aceito pela Justiça, ele pode ser transferido para a penitenciária de Tremembé. "Não sei se a gente fica alguma vez preparado para ir a um lugar como esse (referindo-se à penitenciária). Estou deixando isso na mão do meu advogado, minha consciência está limpa, isso é o que importa", disse o padrasto do menino. 

Na terça-feira (17), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido da defesa para libertar Longo, que está preso há 38 dias. A decisão foi assinada pelo ministro Marco Aurélio Bellize. Um dia antes, a Justiça de Ribeirão Preto também havia negado recurso similar apresentado pelo advogado Antônio Carlos de Oliveira, que defende o padrasto.

Oliveira diz aguardar ainda uma posição do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). No TJ-SP, o pedido é para que seja estendido a Longo o habeas corpus que pôs em liberdade na semana passada Natália. Ela ficou presa por um mês e já está livre.


Leia tudo sobre: caso joaquimjoaquimguilherme longocrimeviolênciasegurançaigspsão paulobrasil

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas