Haddad reafirma que aumento do IPTU garante mais recursos para educação e saúde

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Em encontro com o presidente do STF, Joaquim Barbosa, prefeito de SP voltou a defender a liberação do aumento

Agência Brasil

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, reafirmou nesta quinta-feira (19) que o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) garante mais recursos para a saúde e a educação. Segundo o prefeito, as duas áreas levam mais de 50% do valor total do imposto arrecadado pelo município. O aumento está suspenso por decisão da Justiça do estado e do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Conheça a home do Último Segundo

STJ mantém liminar que impede aumento do IPTU em São Paulo

Em encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, Haddad voltou a defender a liberação do aumento. Barbosa também recebeu o presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, que é contra o aumento. No início desta tarde, a prefeitura de São Paulo recorreu ao Supremo para liberar o aumento do IPTU.

Segundo Haddad, o aumento do IPTU é necessário para que mais recursos sejam aplicados nas áreas de educação e saúde. “Procuramos demonstrar para o presidente do STF o impacto que [o aumento] teria nas áreas mais sensíveis da cidade, que são transporte público, saúde, educação e moradia. Não é aumento de tributo. A alíquota está sendo reduzida, não aumentada. Estamos diluindo isso em quatro anos para que fique leve para todo mundo. Trata-se de um aumento médio de R$ 15 por mês", explicou o prefeito.

Leia também:

Prefeitura reduz teto de alta do IPTU e aumenta isenção
Lula diz que população entendeu mal aumento do IPTU anunciado
Aumento IPTU: Vila Mariana, Sé e Moema terão maiores altas; confira

O impasse: Mesmo com liminar, Prefeitura de São Paulo sanciona aumento do IPTU

Skaf, porém, defendeu as decisões judiciais que mantiveram o veto ao aumento, por entender que o valor vai além do reajuste inflacionário, corrigido todos os anos. “O que realmente estou torcendo para não acontecer é que haja algum problema com essa liminar que permite à prefeitura dar uma facada em todos os moradores de São Paulo, em todos os paulistanos, porque ninguém escapa. Noventa por cento dos que recolhem o imposto vão ter esse aumento abusivo, numa média de 88%”, disse o presidente da Fiesp.

Leia tudo sobre: haddadiptuigspSão Paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas