Taxistas protestam pelo direito de usar as faixas exclusivas de ônibus em SP

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Manifestantes pararam de manhã as avenidas Paulista e a 23 de Maio. Ato foi organizado pelas redes sociais

Agência Brasil

Um grupo de aproximadamente 80 taxistas, segundo estimativa da Polícia Militar, faz desde o início da manhã desta segunda-feira (16) um protesto em que reivindica, entre outros itens, a liberação das faixas exclusivas de ônibus também para os táxis, mesmo sem passageiro. Após percorrer avenidas importantes da cidade, como a Paulista e a 23 de Maio, eles chegaram ao Viaduto do Chá por volta das 12h20, onde fica a sede da prefeitura.

Conheça a nova home do Último Segundo

Apesar do interesse dos taxistas, um estudo da Secretaria Municipal de Transporte (SMT), apresentado em novembro deste ano ao Ministério Estadual, mostra que os táxis contribuem para a diminuição da velocidade e do desempenho dos ônibus nas faixas exclusivas. De acordo com o órgão, o projeto de trechos destinados ao transporte coletivo resulta em uma melhora na mobilidade e na fluidez do tráfego. Pela portaria atual, somente os táxis com passageiros são autorizados a utilizar as faixas dos corredores.

Os taxistas bloqueiam duas faixas do viaduto no sentido Praça do Patriarca. Os manifestantes estimam que cerca de 200 pessoas participam do protesto. Os taxistas destacam que o movimento não está vinculado a nenhuma organização sindical e que o ato foi organizado por meio de redes sociais na internet. Além da liberação das faixas de ônibus, eles são contra a licitação de novos alvarás de táxi. Eles pedem que haja um sorteio entre os motoristas ativos do município.

Os taxistas reivindicam ainda direito de estacionar gratuitamente, por 30 minutos, em área de zona azul; autorização para usar a bandeira 2 durante o mês de dezembro, como forma de obter um décimo terceiro salário; definição de uma data do ano para reajuste da tarifa do táxi com base na inflação; inclusão da bandeira 3 para viagens fora da capital; mais segurança por parte da Polícia Militar; investigação, pelo Ministério Público, das diárias cobradas pelas locadoras de frota; e mais respeito pela fiscalização da São Paulo Transporte (SPTrans).

A assessoria de imprensa da SMT informou ainda que está marcada para terça-feira (17), às 12h30, uma reunião com o promotor de Justiça da área de habitação Maurício Ribeiro Lopes, para tratar da questão.

Leia tudo sobre: trânsitopaulistaigspbrasiltáxi

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas