Exame não indica insulina em excesso em Joaquim

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Uma das suspeitas da polícia era de que o padrasto do menino teria aplicado uma dose excessiva de insulina no garoto e depois jogado o corpo na água, no interior de SP

Agência Estado

Exames realizados em tecidos retirados do corpo de Joaquim Ponte Marques, de 3 anos, encontrado morto em um rio em 10 de novembro após cinco dias desaparecido, não detectaram a presença de uma dose excessiva de insulina, como acreditava a polícia. Os laudos já foram emitidos, mas não chegaram ainda à Delegacia de Investigações Gerais de Ribeirão Preto.

Conheça na nova home do Último Segundo

Futura Press
Guilherme Longo, preso suspeito de ter matado o menino

A mãe do menino, Natália Ponte, e o padrasto, Guilherme Longo, tiveram a prisão prorrogada pela juíza Isabela Cristina Alonso dos Santos Bezerra, da 2ª Vara do Júri e das Execuções Criminais de Ribeirão Preto.

Mais do caso:

“Joaquim morreu dentro de casa”, acredita delegado

Mãe de Joaquim é ouvida por psicóloga

Vídeo mostra padrasto de Joaquim comprando insulina

Os resultados são de análises realizadas no Laboratório de Toxicologia da Polícia Civil de São Paulo. Uma fonte da polícia informou que o laudo foi negativo para a morte por insulina. E, na tarde desta segunda-feira (09), o delegado Paulo Henrique Martins de Castro confirmou que realmente não foi detectado o medicamento no corpo do menino, que era diabético.

Ele afirmou, porém, que ainda não leu os documentos e que, mesmo tendo dado negativo para a insulina, talvez tenha detectado outras substâncias que indiquem algo nesse sentido. "Desde o início sabíamos da possibilidade de dar negativo", justificou. Indagado se isso não pode pesar na decisão da Justiça sobre a prisão do casal, Castro descartou. "Uma coisa não tem nada a ver com a outra."

A princípio o delegado garante que a linha de investigação está mantida. Segundo ele, nesta semana mais pessoas prestarão depoimento, mas o casal não deverá ser ouvido.

O caso

O menino desapareceu de sua casa em Ribeirão Preto no dia 5 do mês passado, mas seu corpo foi localizado no Rio Pardo, em Barretos, no dia 10. A linha de investigação policial aponta o padrasto Guilherme Longo como principal suspeito pela morte de Joaquim.

Para isso, segundo a polícia, teria aplicado uma dose excessiva de insulina no garoto e depois jogado o corpo na água. Longo nega qualquer envolvimento no caso, assim como Natália.

Leia tudo sobre: joaquimassassinatocaso joaquim

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas