Monitoramento falho abre caminho para reocupação de áreas de risco em SP

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

No Parque Santa Madalena, zona leste, novos moradores se mudam para terrenos onde casas foram removidas

Agência Estado

Com monitoramento falho, algumas áreas de risco que tiveram casas removidas vêm recebendo novos moradores. No Parque Santa Madalena, zona leste da capital, até o local onde um homem morreu soterrado há quatro anos já está ocupado por novas moradias.

Conheça a home do Último Segundo

Levantamento: Prefeitura só removeu 10% das moradias em áreas de risco

"Na época em que ergui o barraco, não sabia que já tinha morrido gente aqui. Acho que se soubesse nem teria comprado o terreno", diz a diarista Sandra de Jesus Oliveira, de 34 anos, que pagou R$ 300 pela área onde construiu o barraco de 20 metros quadrados, onde mora com seis filhos e o genro.

"Quando chove, a gente vem dormir na parte da frente do barraco, porque se a terra descer tem menos perigo de ela chegar até nós", diz o cabeleireiro Valdenário Antonio da Silva, de 20 anos, genro de Sandra. Naquela área do morro, 330 famílias foram removidas entre 2011 e 2012, mas dezenas de novos barracos já tomam a área.

Março: Pessoas precisam de condições para deixar áreas de risco, diz Dilma

Em toda a comunidade, são 2,6 mil famílias, número que não para de crescer. Entre as futuras moradoras está a dona de casa Thaís Ferreira Brandão Cardoso, de 20 anos. Ela pagou R$ 800 a quatro rapazes para construírem um barraco no morro, onde vai morar com o marido e dois filhos, um deles de dois meses. "Pagava R$ 150 de aluguel, mas a dona pediu a casa. Onde vou encontrar outro lugar pelo mesmo valor? Tive de vir para cá. Prefiro passar medo no barraco do que na rua", afirma.

Monitoramento falho

Para a arquiteta Maria Augusta Justi Pisani, professora da Universidade Presbiteriana Mackenzie, o monitoramento das áreas de risco já desocupadas deveria ser aprimorado. "Existem ferramentas pelas quais é possível monitorar essas áreas à distância. Mas a melhor fiscalização é a dos próprios moradores", diz a especialista.

Governo: Brasil tem 680 mil pessoas em áreas de risco em 140 cidades

"Se a Prefeitura remover as casas e colocar um equipamento público no local, como uma praça, os moradores serão os primeiros a cuidar daquele local e denunciar novas ocupações", diz. O secretário José Floriano de Azevedo Marques diz que a pasta orienta as subprefeituras a sempre demolirem as casas e barracos após a saída das famílias.

"A demolição é importante para evitar novas ocupações, mas também estamos contando com a ajuda das famílias que moram ao redor da região desocupada, para que denunciem as invasões", diz. Segundo o secretário, parte das áreas de risco desocupadas será contemplada com parques lineares. "Essa revitalização vai impedir novas invasões", afirma.

Leia tudo sobre: áreas de riscoigspsão paulo

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas