Preso acusado de queimar carros em protesto dos beagles no interior de São Paulo

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Na casa do suspeito foram encontradas 100g de maconha, por isso ele também foi autuado por tráfico de drogas

Agência Estado

A Polícia Civil prendeu Gabriel Pirone dos Santos, de 30 anos, acusado de incendiar uma viatura da Polícia Militar e dois veículos de reportagem durante manifestação contra o Instituto Royal, no dia 19 de outubro, em São Roque.

Conheça a nova home do Último Segundo

Na ocasião, cerca de 800 pessoas protestavam contra o uso de cães da raça beagle pelo instituto em testes de medicamentos, quando houve confronto com a PM. Gabriel aparece em imagens depredando e, na sequência, incendiando os veículos. Ele foi preso em Salto, cidade da região, e apresentado nesta quinta-feira (21), na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, que investiga o caso.

De acordo com a polícia, na casa do suspeito foram encontradas 100 gramas de maconha, por isso ele foi autuado também por tráfico de drogas. As roupas que ele usava durante o protesto também foram encontradas em sua residência.

Leia também: "Resgate de beagles é demanda social", diz biólogo que processou universidade

Gabriel confessou ter participado do vandalismo, mas negou ser adepto da tática de ação conhecida como black bloc ou fazer parte do grupo de mascarados que atuam em manifestações. Ele se disse adepto de um movimento pela liberação do uso da maconha e estava no protesto para dar visibilidade à sua luta. Segundo Gabriel, ele agiu por impulso, no calor da manifestação.

O suspeito negou participação na invasão do instituto, no dia anterior ao protesto, para retirada de 178 cães da raça beagle. As instalações foram depredadas.

Mais: Experimentação animal é cara e resultados são duvidosos, afirmam cientistas

De acordo com a polícia, Gabriel é, por ora, o único autor dos crimes de depredação dos veículos. Ele foi ajudado por outras pessoas no ataque à viatura e aos dois veículos de reportagem, mas a Polícia Civil não conseguiu identificar os outros participantes. O detido era o único que estava com o rosto descoberto, embora usasse um boné também apreendido pela polícia.

O acusado vai responder pelos crimes de incêndio, com pena prevista de 3 a 6 anos de reclusão, e de tráfico de entorpecentes, com pena que varia de 3 a 15 anos. O inquérito que apura a invasão e depredação do instituto ainda está em andamento, assim como o que investiga denúncia de maus tratos contra os animais.

A Polícia Militar abriu um inquérito civil para apurar a responsabilidade pelo incêndio da viatura. Caso seja confirmada a ação de Gabriel, ele terá de pagar até R$ 50 mil pela destruição do veículo e de seus equipamentos.

Leia tudo sobre: beaglesprotestoinstituto royal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas