Polícia investiga se padrasto fez seguro de vida antes da morte de Joaquim

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Guilherme Longo está preso desde o dia 10, quando o corpo de Joaquim foi localizado boiando no Rio Pardo

Agência Estado

Uma nova pista pode mudar o rumo das investigações sobre o desaparecimento do menino Joaquim Ponte Marques. Em mensagem de telefone celular enviada para a psicóloga Natália Ponte, mãe de Joaquim, pouco antes do sumiço da criança, o padrasto Guilherme Longo fala em ter feito uma apólice de seguro sem entrar em detalhes a respeito. Agora, a polícia quer localizar a seguradora e saber a quem se refere esse seguro e quem seria beneficiado.

Conheça a nova home do Último Segundo

Relembre os crimes que chocaram o Brasil

Alfredo Risk/Futura Press
Guilherme Longo sai da DIG em Ribeirão Preto (SP), após ser ouvido pelo delegado e o promotor

A informação foi confirmada pelo delegado Paulo Henrique Martins de Castro, que responde pelo caso e que nesta quinta-feira, 21, se reuniu com o comandante da Polícia Militar, Paulo César Gomes. Eles discutiram detalhes da reconstituição que será realizada na casa onde Joaquim morava, no Jardim Independência, em Ribeirão Preto (SP).

Polícia tem lista de ligações feitas pela mãe de Joaquim

Polícia Civil prepara operação para fazer reconstituição do caso Joaquim

Também nesta quinta-feira, Castro ouviria um amigo de Longo que teria informações importantes sobre o caso. Porém, ele não apareceu para depor e policiais o procuraram sem obter êxito. Longo está preso desde o dia 10, quando o corpo de Joaquim foi localizado boiando no Rio Pardo, em Barretos (SP), após desaparecer cinco dias antes do quarto dele em Ribeirão. Natália também está na cadeia, enquanto a polícia segue tentando esclarecer como o menino morreu e depois foi jogado na água.

Recurso

A defesa de Longo ingressou com um pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). O advogado Antônio Carlos de Oliveira alega que o principal suspeito de matar o menino pode colaborar com as investigações mesmo estando em liberdade.<p>De acordo com Oliveira, não existem provas materiais consistentes contrárias ao cliente.

"Ele não precisa estar preso para a investigação continuar", afirma. No início desta semana, o advogado viu o pedido de liberdade ser negado pela juíza Isabel Cristina dos Santos, da 2ª Vara do Júri e de Execuções Criminais de Ribeirão. Agora, tenta um resultado favorável em segunda instância.

Pela manhã, Oliveira cogitou a possibilidade de o cliente não participar da reconstituição. O motivo seria porque estaria tendo dificuldades para obter cópias de documentos relativos ao inquérito. Porém, mesmo que Longo não esteja presente, a polícia confirmou que pretende reconstituir os passos do padrasto na madrugada do dia 5.

Suspeita

Ao contrário do que diz o advogado, o delegado afirma já ter provas contra o padrasto, mas que é preciso juntar mais elementos e aguardar alguns laudos que ainda serão expedidos. A Polícia Civil continua com a tese de que o menino morreu na casa e foi levado e jogado no córrego que passa a 200 metros do imóvel, indo parar no Rio Pardo. Segundo a polícia, Longo é o principal suspeito pela morte da criança. Ele teria usado, para isso, de forma acidental ou premeditada, uma dose excessiva de insulina.

Leia tudo sobre: GERALcaso Joaquimpadrastomortemenino

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas