Suspeito de atropelar jovem se entrega

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Corpo de Jéssica ficou preso no para-brisa e foi arrastado por mais de 200 metros, onde o carro foi abandonado pelo motorista, que fugiu a pé, sem prestar socorro à vítima

Agência Estado

André Lucas Almeida/Futura Press
O autônomo Vagner Fraga Ferreira (esq.) foi indiciado por homicídio com dolo eventual

Suspeito de atropelar e matar nesta quarta-feira (20) a atendente de telemarketing Jéssica Rodrigues da Silva, de 22 anos, na Ponte do Piqueri, zona norte de São Paulo, o autônomo Vagner Fraga Ferreira apresentou-se à polícia nesta quinta-feira (21). Ferreira foi indiciado por homicídio com dolo eventual (quando o suspeito assume o risco do crime, sem se preocupar com as atitudes). Se condenado, a pena seria de 6 a 20 anos de reclusão.

Conheça a nova home do Último Segundo

Entenda: Mulher morre atropelada em avenida da zona norte de São Paulo

Família de pedestre atropelada em São Paulo aponta negligência da polícia

Ferreira chegou ao 7º Distrito Policial (Lapa) às 19 horas acompanhado do advogado Roberto Vasconcelos da Gama. O delegado Marcel Druziani, titular do 7º DP e responsável pelas investigações, disse também que a carteira de motorista do autônomo estava vencida desde julho. Druziani já ouviu três testemunhas de acusação - duas afirmaram que o carro do acusado passou o sinal vermelho. "Temos testemunhas que foram ouvidas hoje (nesta quinta-feira) que também afirmaram, categoricamente, que ele estava em alta velocidade e praticando racha", disse.

Gama nega todas as acusações. "Ele não estava tirando racha, não estava apostando corrida", disse. "Ele estava a 80 quilômetros horários/h, mas passaram dois veículos por ele que o espremeram na faixa de ônibus. Esses dois é que estavam em alta velocidade." A velocidade permitida na via é de 60 km/h. Gama contrariou as testemunhas e afirmou ainda que o sinal estava verde quando aconteceu o atropelamento e que a culpada é Jéssica. "Se ela tivesse ficado parada, nada teria acontecido. Mas (assim que um carro passou por ela, por trás), ela pulou para frente e foi atropelada."

O corpo de Jéssica ficou preso no para-brisa do Fiat Stilo 2009 de Ferreira e foi arrastado por mais de 200 metros, onde o carro foi abandonado pelo motorista, que fugiu sem prestar socorro. "Mesmo que se comprove que não havia racha, que não havia sinal vermelho, a situação é gravíssima", disse o delegado.

Vítima

Jéssica, que deixa uma filha de 4 anos, começaria nesta quinta num novo emprego. Ela estava desempregada havia seis meses. Ela tinha casamento marcado para o fim de 2014. O seu noivo era o auxiliar de expedição Geyvison Alef Bernardino dos Santos, de 20 anos, que estava logo atrás de Jéssica quando ela foi atropelada. O corpo de Jéssica foi enterrado nesta quarta-feira no Cemitério Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, perto de onde ela morava com a família.

Leia tudo sobre: GERALigspatropelamentofugaprisãomortejovemracha

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas